Os bairros de Milão: a história de Brera

Tags

Share it

Brera é um dos bairros mais conhecidos da Milão atual. Mas a onda de turistas, estudantes de arte e locais que todos os dias atravessam as suas charmosas ruas e frequentam seus restaurantes, lojas e museus, nem sempre conhecem a origem e a história recente do lugar.

O nome Brera vem de braida, que quer dizer terreno não cultivado, fora da cidade. Ou seja, é difícil imaginar Brera fora dos muros medievais com um jeitão rústico, mas era assim.

Com uma isolada igreja no século 13, transformada no século 16 em convento jesuíta, a vida em Brera corria tranquila. No século 18 os anti-clericais austríacos chegam, mandam embora todos os frades e transformam a bela construção em Academia de Belas Artes, que logo vira reduto de artistas e letrados (com a abertura também da biblioteca).

Brera_-_palazzo_nell'800

Inevitável com a gravitação de artistas por ali, que a pegada boêmia começasse a se espalhar. E a equação é simples: boemia + homens = bordéis.

Isso mesmo, as graciosas ruas de Brera, especialmente Via Fiori Chiari, hospedaram até os não tão distantes anos 50, os mais respeitados bordéis milaneses. Sim porque muitos não sabem, mas a prostituição era legalizada na Itália até 1958, quando a Lei Merlin (que leva o nome da senadora que a propôs) fechou as casas de tolerância com a intenção de cessar  a exploração feminina organizada.

Brera Milao

Algumas das regras impostas ao exercício da mais antigas das profissões, já tinham sido fixadas durante o regime de Napoleão e obrigava as senhoritas a consultas ginecológicas periódicas. Mais tarde, outras foram acrescentadas, como a rotação entre várias cidades (viagem paga pelas prostitutas) para evitar a criação de laços afetivos com os clientes mais assíduos.

prezzi bordello

Nas casas mais luxuosas, as meninas tinham até book e o desenrolar do trabalho era ainda permeado de regras férreas: o cliente escolhia a prostituta, o tipo de “serviço”, pagava a marqueta (uma ficha) e subia para um dos quartos. Ao terminar, dava a ficha para a moça, que no final do dia, passava no caixa e recolhia a sua porcentagem em base das fichas apresentadas.

Todos os quartos tinham bidê e as mocinhas eram obrigadas a fazer um banho de assento ao término da prestação.

Além do vai e vem dos homens que frequentavam os bordéis, o bairro era também invadido pela presença masculinas de centenas de garis, já que um dos depósitos-dormitórios dos varredores da cidade, ficava na (hoje, lindinha) Via Madonnina. Certo, com seus salários não podiam se dar ao luxo de horas de prazer com as mocinhas e talvez se acontentassem só de espiar uma ou outra de seios de fora nas sacadas dos prédios.

brera

Esse mix de rotinas e vidas, fazia do bairro um dos mais populares (no sentido econômico) de Milão e foi assim até os anos 60. “Esquecido” por 3 décadas, nos anos 90 o boom imobiliário e a expeculação o fizeram um dos metros quadrados mais caros da cidade.

A próxima vez que você entrar em uma loja em Brera, lembre-se que se os muros falassem, poderiam te contar históricas picantes.

Leia mais sobre Brera no blog:

Pinacoteca de Brera

Restaurante Pisacco

Restaurante Bom e Barato

Hotéis em Brera

Um dia de relax em Milão

Fazia tempo que ensaiava uma escapada as Terme di Milano para um dia de relax na cidade. Na verdade, a estrutura é um spa dentro da cidade, não muito longe do centro.  Milão oferece várias opções para quem quer um dia, ou meio, de relax na cidade, mas todas elas são dentro dos grandes hotéis de luxo e com preços bem salgados.

E eis que no último feriado depois das férias de Natal, antes de realmente começar o ano, eu e marido pegamos o caminho da Porta Romana e fomos conferir a tal das termas. Aliás, termas dá só o nome a estrutura já que Milão não tem águas termais (que é possível encontrar em outras localidades nas montanhas da Lombardia).

o que fazer Milão relax

As termas ficam em um lugar bem sugestivo, uma construção de arquitetura Liberty que era a antiga garagem dos bondinhos quando eram ainda puxados por cavalos. Tudo isso, bem em frente da dita Porta Romana e com o jardim por parte cercado pelo pouco que sobrou das muralhas espanholas da cidade (século 16).

Nós chegamos sem reserva as 11h e apesar de ser feriado, não tivemos problemas para entrar. O custo nos finais de semana e feriados não é econômico, mas a permanência é ilimitada e você tem acesso ao buffet light (frutas, biscoitos, iogurtes, cereais, mel, chá) durante todo o período.

o que fazer Milão spa

Depois de pagar na recepção, eles te dão uma toalha, um roupão, par de sandálias de dedo e o bracelete junto com um cartão que abre e fecha seu armário.

Apesar do frio, era um dia de sol e nós começamos pelo lado de fora, já que eu estava louca para ver o jardim com as muralhas. Fora são duas piscinas água quente ( ) e hidromassagem e uma sauna seca que fica dentro de um antigo bondinho ATM. O cenário é bem sugestivo e deve também ser bem legal a noite.

Paradinha no buffet, que fica na antiga Sala Cavalli, para comer um iogurte e comer uma fruta antes de descermos para aproveitar os percursos de água e sauna que ficam no subsolo. Tem cascata, sauna com bicarbonato para fazer auto-esfoliação, hamman, piscina com cromoterapia.

Milão spa

Fiquei tanto de molho, que quando parei em uma das salas relax com colchão de água e musiquinha com barulho de água, dormi uns 20 minutos.

Ainda demos mais uma parada no buffet para um lanche, sempre a base de frutas e biscoitos, antes de irmos tomar banho. Os vestiários são equipados com secadores, cremes para o corpo, shampoo e sabonete líquidos. Você precisa levar mesmo só o maiô ou biquíni.

Pessoalmente, para o preço que custa, eu achei que eles tem poucos funcionários, mas nada que tenha comprometido o nosso dia lá.

Para quem quer fazer uma coisa diferente em Milão e adora um relax, é uma ótima opção. Eles tem também iniciativas como café-da-manhã (sábado e domingo) e happy hour (todos os dias) e tratamentos de beleza que não estão incluídos no preço da entrada.

 

QC Terme Milano  (site)
Piazzale Megadlie d’Oro 2 (Metrô Porta Romana)
De Segunda  à Quinta: das 9h30 às 23h
Sexta: das 9h30 às 00h30
Sábado: das 8h30 às 00h30
Domingos e feridos: das 8h30 às 23h
 
Ingresso dia inteiro 45 euros (seg a sex)
Ingresso dia inteiro 50 euros (sab – dom e feriados)
Aperiterme – happy hour 38 euros (a partir das 17h30 seg a sex)
Aperiterme – happy hour 42 euros (a partir das 17h30 sab e dom)
Relax com as estrelas 34 euros (a partir das 19h30 seg a sex)
Relax com as estrelas 38 euros (a partir das 19h30 sab e dom)
 
Não é consentida a entrada a menores de 14 anos 

Deu no New York Times

Tags

Share it

Milão cidade que não tem nada para se ver. Milão cidade de negócios, a São Paulo italiana. Milão (só) cidade da moda e design.

Escuto frequentemente esses comentários sobre a cidade para onde me mudei há 13 anos e da qual escrevo há 2 anos nesse blog. Mas quem segue o Milão nas mãos também deve ter lido várias vezes eu dizer que Milão não é uma cidade óbvia ou uma cidade para turistas (e até moradores) preguiçosos, daqueles que querem belezas escancaradas em suas caras e segredos facilmente desvendados em cada esquina.

Só quem vive realmente uma cidade pode colher a sua essência, seja ela qual for. Então, me desculpem os viajantes desavisados, que aqui chegam esperando encontrar roupas penduradas nos varais das ruas estreitas da cidade ou senhoras vestidas de preto sentadas nas portas de casa.

Capital da moda e do design sim, Milão é também a capital econômica do país e isso lhe confere um ar mas cosmopolita em relação a outras cidades italianas. Sem falar na grande quantidade de arte, cultura e história que também temos aqui.

E agora, que a cidade atrai a atenção do mundo em vista a Expo, um vídeo de 6 minutos publicado na sessão Viagens do portal do Jornal New York Times no dia 7 de janeiro, descreve Milão como uma cidade bela que não se entrega a primeira vista, em pequenas entrevistas a moradores e alguns empreendedores que fazem da cidade o que ela é: italiana, mas com um olhar internacional.

HangarBicocca, Pavè, Gallerie d’Italia, Al Taglio, Nonostante Marras, Ceresio 7, Un posto a Milano são alguns dos lugares mostrados no vídeo e exemplos da Milão que não se repousa, mas que sabe viver.

Aqui fica o vídeo com uma minha pequena dica: na sua próxima passagem por aqui dedique mais tempo a cidade e se lembre que Milão é para entendedores. Deixe-se surpreender.

Visitando o Museu Ferrari em Maranello

Nunca fui ligada em carros e com isso, mesmo em todos esses anos aqui, nunca nem me passou pela cabeça visitar o Museu Ferrari em Maranello, na região da Emilia Romagna. Até que há alguns meses surgiu um pedido de uma cliente para fazer esse passeio e lá fomos nós.

A Ferrari (La Rossa, como é chamada aqui) é com certeza um dos ícones italianos mais famosos e desejados no mundo. Fundada em 1929 por Enzo Ferrari, por décadas produziu componentes para a Alfa Romeo e para aviões e só em 1947 a construção de carros se tornou a atividade principal da fábrica. Hoje, a marca produz carros esportivos de alto nível e carros de corrida, que era a grande paixão de Enzo Ferrari.

visitar museu ferrari maranello

Chegamos ao museu no final da manhã, depois de cerca de 3 horas de viagem de carro. Era um dia de semana de setembro, não tinha filas ou grandes grupos de turistas. Nós, por falta de tempo, optamos pela visita só do museu, mas é possível também fazer a visita da pista (de dentro de um ônibus, sem possibilidade de descer) e do Museu Enzo Ferrari, mas que fica em Modena.

A primeira sala do museu é dedicada a mostras temporárias, mas o resto do percurso, que não é grande, fica por conta dos maravilhosos carros que fizeram a história da marca do cavalinho.

ferrari_museu_italia

Eu fiquei encantada com os modelos antigos, anos 60 e 70 e escolhia um como meu preferido, até encontrar outro ainda mais bonito.

Antes de passar para a grande sala que expõe os famosos carros da Fórmula 1 e todos os troféus conquistados ao longo dos anos, uma pequena sala de cinema exibe um trailer com cenas de filmes e seriados famosos onde a Ferrari era também a protagonista. Quem não se lembra de Magnum, Al Pacino em Perfume de Mulher, Miami Vice e o maravilhoso Curtindo a Vida Adoidado?

Do lado de fora do cinema, fica também a reprodução do escritório de Enzo Ferrari.

Para os apaixonados pela F1, é a última sala a mais esperada. Modelos antigos e novos se misturam com telões onde trechos de vídeo mostram entrevistas e depoimentos dos grandes corredores da construtora.

como_ir_museu_ferrari

trofeus_ferrari

A última parte é dedicada ao espaço para quem quer se divertir e tentar o simulador (pagamento a parte), ao bar ou as inevitáveis compras na lojinha.

A visita o museu pode ser feita tranquilamente em cerca de 1 hora e vale a pena para os (muito) apaixonados pela marca. Como museu de carro, achei o Museu do Automóvel de Turim bem mais interessante (leia post aqui).

A cidade de Maranello respira Ferrari, então você vai encontrar lojas com inúmeros produtos e propostas para dirigir “una rossa” por toda parte.

Quando saímos do museu, era hora do almoço e eu não poderia deixar de procurar um lugar para comer o delicioso gnocco fritto, um prato típico da região emiliana que parece um pastel (vazio) que se come com frios e queijos moles. Foi a recepcionista do museu que me indicou o bar Drake, bem na rotátoria do centro. Se você for para aqueles lados, não deixe de provar.

gnoccofritto

E foi a melhor maneira de terminar essa aventura automobilistica, antes de voltar para Milão.

Como chegar:

Maranello fica a 190 km de Milão – 20 km de Modena – 50 km de Bologna.

Para quem vai de carro, existem boas indicações para chegar ao museu.

De trem, de Milão, é possível ir até Modena com o Frecciabianca (cerca de 1h40). Da estação, existe um serviço (pagamento) de vans do museu que levam até o Museu Enzo Ferrari em Modena e depois ao Museu Ferrari em Maranello.

Se você tem tempo, pode fazer os dois. O ideal é reservar o serviço no site do museu.

Museu Ferrari – Maranello

Via  A. Dino Ferrari 43 Maranello
 
De 1 de novembro a 31 de março: todos os dias das 9.3o às 18h
De 1 de abril a 31 de outubro: todos os dias das 9.30 às 19h
Fechamento: 25 dezembro e 1 janeiro
Ingressos: adulto inteiro 15 euros – menores de 6 a 18 anos (acompanhados dos pais) 10 euros – acima de 65 anos 13 euros
Ingressos combinados museus + serviço van (reserva obrigatória): consultar site clique aqui

Milão nas mãos: Retrosblogtiva 2014

Tags

No tags :(

Share it

Quando esse ano começou, o Milão nas mãos tinha completado o seu primeiro ano há poucos meses, mas já dando sinais de crescimento e envolvimento com os leitores. Já são mais de 4.000 seguidores no Facebook e 1.400 no Instagram, sem contar os e-mails e comentários que recebo.

Os 3 posts mais acessados do blog esse ano, continuam sendo: 10 coisas para fazer em Milão pelo menos 1 vez na vida - Viajar pela Itália: carro ou trem - Última Ceia de Da Vinci: história e curiosidades

Mas esse ano, um montão de coisa legal foi aparecendo e acontecendo: logo nos primeiros dias de janeiro, a Rede Record de Manaus me procurou para uma entrevista onde mostrei a cidade para um programa que eles estavam produzindo para a Copa do Mundo, já que a Itália jogaria em Manaus. E lá fui eu participar, em um dia de muito frio, das gravações do Programa Magazine.

1549485_568304289914484_1461815084_n

Em fevereiro recebi uma hóspede muito especial: Cristina Rosa do blog Sol de Barcelona passa 3 dias em Milão, nos conhecemos pessoalmente a damos o início a organização do 1° Encontro Europeu de Blogueiros Brasileiros.

Nos meses seguintes, continuava a minha trajetória profissional, na preparação para o exame de acompanhante turística aqui na Itália. No dia 16 de abril, depois da prova oral, eu finalmente conseguia a minha habilitação para oferecer passeios e acompanhamentos por Milão e Itália. E assim, o Milão nas mãos se enriquecia de mais serviços para os leitores.

Abril também foi o mês que Milão, Porto e Barcelona se uniram em uma blogagem coletiva que mostrava as semelhanças e diferenças dessas grandes cidades europeias.

Em maio foi a vez de participar da edição da revista digital Brasileiros Mundo Afora da querida Claudia Boemmels, que publicou uma entrevista comigo  contando a minha trajetória profissional aqui na Itália nesses últimos 13 anos.

Com a chegada da primavera e depois o alto verão, os brasileiros invadiram a Itália e a porta de entrada é quase sempre Milão. Foram meses de trabalho intenso, onde tive o prazer de conhecer e acompanhar muita gente legal por Milão e arredores. O passeio mais procurado foi com certeza o Lago de Como, com passeios a belíssima Bellagio.

Lago Como Milao passeios

No meio de tudo isso, uma escapada de férias no Sul da Itália, onde conheci a linda cidade de Matera e a Região da Puglia.

E como uma das coisas mais legais de blogar, é conhecer outros blogs e blogueiros, em agosto vários blogs europeus começam a ação BlogAmigo, onde compartilhávamos nas nossas redes sociais conteúdo de outros blogs.

Na última semana de setembro, participei do blogtour em Mântua, a convite de Blogville e da Província de Mântua com outros 4 blogueiros, provenientes dos USA, Alemanha e Rússia. A cidade, inserida na lista de Patrimônios Unesco junto com a vizinha Sabionetta é uma daquelas belezas que nenhum turistas deveria esnobar em uma viagem pelo Norte da Itália.

Tempo de voltar de Mântua e o destino era Barcelona. Super entusiasmada para encontrar e conhecer gente nova e que eu já admirava na blogosfera turística no 1° Encontro Europeu de Blogueiros Brasileiros, que aconteceu de no final de semana do dia 11 e 12 de outubro e foi um sucesso. Mesas redondas, palestras, trocas de experiências, tapas deliciosas e passeios pela bela Barcelona, tudo organizado e ciceroneado pela ótima Cris Rosa, que também é guia turística por lá.

tour guiado barcelona milao em portugues

Mas outubro é também o mês do Milão nas mãos, que em 2014 completou 2 anos e mesmo ainda sendo um filhote, posso dizer que os resultados são ótimos e me deixam super feliz.

Para completar essa felicidade no final de outubro o blog é citado pela editora do ótimo blog Onalim em uma reportagem do jornal italiano La Repubblica.

MNMReppublica

Em novembro, foi a vez do rádio e da entrevista que dei para uma emissora de Caxias do Sul, que tem um programa sobre brasileiros na Itália.

Assim o ano se aproximava ao final e eu já pensando em 2015: Milão recebe a Expo a partir de maio e enquanto isso, os novos  projetos para o Milão nas mãos continuam para o ano que vem.

Aguardem as novidades e Feliz 2015!!!

Retrosblogtiva é uma blogagem coletiva dos blogs :

Agenda Berlim

Brasileiros Mundo Afora

ItaliAna

O Porto Encanta

Sol de Barcelona

1 2 3 41