O projeto Itália nas mãos

Tags

Share it

Um dia você tem a bela ideia de escrever um blog sobre a cidade onde você vive e que você adora. E logo no início, esse blog te faz conhecer um montão de gente, primeiro virtualmente e depois, devagarzinho, também pessoalmente.

E essa história começa assim:

Em 2013, Ana do blog ITALIAna veio passar por Milão, procurou informações sobre a cidade, achou o Milão nas mãos e resolveu me convidar para um café. Eu aceitei e propus o um dia na região da Franciacorta. O resto é história.

Depois tem o Marcelo, videomaker paulista que chegou em Milão para morar, também descobriu o blog e me mandou um email: nos formamos na mesma faculdade, no mesmo curso (Rádio e TV), mais ou menos na mesma época. Marcamos um café, mas o Milão nas mãos ainda é ‘jovem’ para começar a fazer vídeos, mas o contato continuou.

E não posso esquecer do Renato, leitor do blog que um dia interveio em uma foto do Instagram e começamos a “conversar”. Adorei as ilustrações que ele faz e na minha última viagem para o Brasil, nos encontramos para um café que durou 8 horas em São Paulo entre papos sobre a Itália e os italianos.

E foi em São Paulo que surgiu a ideia do Italia nas mãos, uma webserie pensada para mostrar um pouco da Itália para os brasileiros: aí a Ana ligou para mim e eu liguei para o Marcelo. E sem querer, contei o projeto para o Renato, que topou o desafio de fazer a parte gráfica para a gente.

Todo mundo junto nessa viagem por parte do país bota para mostrar cafés históricos, personagens, praças, patrimônios Unesco, vinho, gastronomia e um pouquinho da vida italiana.

Por enquanto deixo aqui o episódio piloto e convido vocês a curtirem a página do Italia nas mãos no Facebook e seguirem as próximas semanas de gravações.

Vem viajar com a  gente!!

Onde comer no centro de Milão

Escolher um restaurante no centro de Milão para quem está turistando pela cidade, pode não ser uma tarefa fácil. Não que as possibilidades não sejam variadas, até são, mas aí é que mora o problema.

Tem um pouco de tudo, em termos de preços e qualidades. A minha dica é sempre evitar os restaurantes do Corso Vittorio Emanuele (que fica atrás do Duomo) e de Via Dante (que leva ao castelo), aqueles que colocam as fotos od pratos para fora e mandam seus garçons buscar clientes na calçada. Eu os chamo de armadilha para turistas: comida congelada e preço nada camarada.

Esse não é o primeiro post que faço sobre o assunto, e você pode encontrar outras dicas no post Dicas de restaurantes no centro de Milão , mas resolvi acrescentar as novas descobertas e as novas aberturas de restaurantes que gravitam na área em torno da Praça Duomo.

Al Cantinone

Restaurante que fica atrás do Luini, que vende o famoso panzerotto em Milão e que também pode ser uma opção para o almoço, se você estiver procurando um lanche gostoso e barato.

Ambiente simples, de osteria e um vai e vem de milaneses que trabalham nos arredores. A organização pode parecer confusa para os turistas desavisados e que não falam ou entendem italiano.

onde comer em Milão

Todos os dias, o cardápio está pregado nas portas: mais de uma opção de primos e segundos, que você pode pedir separado ou escolher prato único, onde eles servem um poco do primeiro e segundo prato que você escolher.

Você entra, paga a opção que escolher e depois vai ao balcão, onde um funcionário faz teu prato. Só com o prato na mão, o proprietário do local te conduz a mesa. Bebendo água, é possível almoçar gastando entre 8 e 10 euros por pessoa.

Endereço: Via Agnello, 19

Tà Milano

Onde ficava o meu querido bar Victoria, hoje temos Tà Milano, com a decoração renovada mas com ar de Old Milano, em ferro escovado e assentos de veludo lavado. Eu gostei do estilo.

Depois de passar duas vezes para um café rápido no final de uma manhã (brioche maravilhosa) e uma vez para um lanchinho (um pequeno sanduiche e uma tortinha de chocolate Duomo), voltei dias atrás para conferir o almoço.

Estava bem cheio e só consegui almoçar porque estava sozinha e me colocaram em uma mesa pequena. O frio do dia me fez pedir uma gostosa sopa de grãos com uma porção de ricotta enriquecida com casca de laranja, água e café (17,50 euros).

dicas de onde comer em Milão

O atendimento é ótimo, simpático e gentil, coisa que em Milão é meio que raridade. No cardápio do almoço todos os dias eles propõe 3 ou 4 opções de primeiros e segundos pratos. Bem, os preços não são baratos, mas em linha com a proposta do lugar e o público de advogados e funcionários dos bancos que rodeiam o restaurante.

É uma opção também para um aperitivo no final do dia.

Endereço: Via Clerici, 1

De canto

Dentro da linda Gallerie d’Italia, é o restaurante do museu.

Já passei para um café rápido com clientes, para um chá no final da tarde e para o almoço. Aqui também os preços são no padrão milanês, mas a comida é boa e o ambiente é tranquilo e bem bonito.

restaurantes Milão

Na última vez que estive por lá, não consegui terminar meu cous cous de verduras, que para mim era enorme.

Na centralíssima Praça Scala, é uma boa opção para quem não pode enfrentar os preços dos vizinhos Il Marchesino e Trussardi Café.

Endereço: Piazza Scala, 6

Sorbillo

Se você adora uma novidade, essa no momento é a mais nova abertura super falada da cidade. Inaugurado no início de outubro, é a filial de uma das pizzas napolitanas mais famosas.

Mas só vá se você não é daqueles brasileiros que acha que a melhor pizza se come no Brasil. Aqui não estamos nem falando da pizza que encontramos pela Itália, estamos falando de pizza napolitana.

E o que isso quer dizer: borda altíssima e a base um pouco mais úmida.

A pizzaria é já um fenômeno aqui, porque faz só 400 pizzas com fermento natural (lievito madre): 200 no almoço e 200 no jantar. Dito isso, vocês podem imaginar as filas do lado de fora, já que não é possível reservar.

pizza em Milão

Eu dei uma passada em um dia de semana, hora do almoço (sim, aqui comemos pizza no almoço). Fazia 15 minutos que estava aberto, eu estava sozinha e não foi um problema achar uma mesa. Meia hora depois, estava lotado e aí você percebe que a acústica do lugar não é o máximo.

O ambiente é completamente normal/anônimo. O cardápio fica na própria toalha americana e as opções de pizzas são 11. Os preços são de rede famosa, mas uma das justificativas é a qualidade da matéria prima. Eu pedi uma Filetto Fresco di Pomodoro com tomatinhos cortados bem fininhos e sem molho. O sabor dos tomates era verdadeiro…tomate que tinha gosto de tomate. Metade do preço da pizza da estava pago.

Outra coisa que tenho que dizer, era que a massa era bem leve e eu acabei conseguindo comer uma pizza inteira. Com isso, nada de lugar para a sobremesa (quase o preço da pizza).

Mesmo assim, por uma pizza, uma garrafa de água e o tal do coperto (mas não trouxeram pão), a conta foi de cerca 11 euros. Uma fortuna!!

A pizzaria estava lotada de milaneses e quatro japoneses, já atualizados sobre as novas aberturas da cidade (eles são fantásticos). Quando sai, as 13h30, a fila lá fora, no frio, era grande.

Endereço: Largo Corsia dei Servi, 11

Meus ‘nãos’ em Milão

Tags

Share it

Quem acompanha o blog ou até quem só leu 2 ou 3 posts, já percebeu o quanto eu goste de Milão. Mas isso não quer dizer que eu não veja os seus pontos negativos e não tenha a minha lista de nãos e implicancias com a cidade.

Pensei muito antes de escrever esse posts, porque como Milão também é o meu produto, já que trabalho como acompanhante turística aqui, fazendo passeios a pé pela cidade, achei que pudesse ser como um tiro no pé eu mesma apontar o lado negativo da cidade.

Mas a minha proposta sempre foi passar aqui a minha visão da cidade e acho que esse lado crítico e objetivo não pode faltar. Milão, aos olhos dos brasileiros, é uma cidade pequena (1.300.000 habitantes) mas nem por isso deixa de ter seus problemas mais ou menos importantes e que afetem mais ou menos turistas e locais.

Aqui, deixo só alguns deles, os que podem afetar mais os turistas direta ou indiretamente. Vamos lá!

Pichação

Milão é uma cidade pichada e isso chama a atenção dos turistas brasileiros, que talvez esperem encontrar aqui uma Europa idealizada. Eu, sinceramente, não a acho mais pichada do que a minha cidade no Brasil (eu sou de SP e vou falar só dela) mas mesmo assim, isso me incomoda.

Aqui é um problema bem frequente, nos muros e nos trens, já que existem grupos de pichadores europeus que vem para cá (e talvez também para outras cidades européias) e se desafiam em pichar isso ou aquilo.

pichacao

Ano passado, um trem novo da metrô que não tinha nem entrado em circulação foi pichado dentro da garagem, na madrugada. Os funcionários da empresa de transporte alegam que são em poucos para a vigilância e que existe o problema da segurança: eles tem medo de enfrentar os pichadores, que muitas vezes estão armados.

Esse ano foi a vez do recém inaugurado mercado municipal da Zona Darsena, que faz parte do projeto de reurbanização da cidade para Expo2015. Uma semana depois da inauguração, já estava pichado.

Digamos que a prefeitura não dá o melhor de si na prevenção, combate e vigilância e a maioria dos estabelecimentos e casas pichadas, cansados de arcarem com as despesas das limpezas, preferem deixar as suas fachadas pichadas do que sofrer outros ataques.

Falta de informações turísticas

Essa era uma sensação que eu já tinha antes mesmo de trabalhar com turismo. Milão cresceu muito turisticamente desde que as cias. áereas low cost começaram a trazer milhares de europeus para cá e melhorou em alguns aspectos, mas tem ainda que dar passos de gigantes, como dizemos aqui, para ser uma cidade voltada para o turista.

pannello_segnaletica_turistica-2

Na maioria das cidades italianas os monumentos turísticos são sinalizados com placas marrons, que indicam a direção do tal momumento. Procure uma dessas placas em Milão.

Por exemplo: geralmente se estou na Praça Duomo e tenho que ir a Última Ceia de Leonardo da Vinci na igreja de Santa Maria delle Grazie, eu vou a pé. Mas eu sei que isso é possível, que é fácil e nem tão longe.

O turista que não conhece a cidade e não tem um mapa nas mãos, não sabe o que fazer, porque não existe uma sinalização que te indique que caminho fazer para chegar da Praça Duomo a Última Ceia.

E esse é só um exemplo. Eu poderia elencar pelos menos uns vinte.

Se alguma coisa vai mudar em vista da Expo? Sinceramente acho que não, porque não vejo nada de novo sendo instalado. Mas se tratatando da Itália, eu não me surpreenderia se alguma coisa fosse feita 1 semana antes do ínicio do evento.

Ah, uma coisa foi melhorada: o ponto de informação turística agora fica dentro da Galeria Vittorio Emanuele.

Batedores de carteira no metrô

Digamos que essa deve ser a única grande preocupação do turista em termos de roubo. Milão não é uma cidade perigosa, e aqui podemos tranquilamente andar pelas ruas do centro depois das 22h sem olhar para trás.

O verdadeiro problema está nas gangs de adoslecentes que agem nas plataformas de algumas estações. Já falei desse problema nesse post.

bos5_672-458_resize

Atenção também aos ciganos que ficam ao lado das máquinas automáticas de vendas de bilhetes, oferecendo ajuda para comprar tickets do metrô.

Não entendo porque, mesmo eles estando dentro das estações, a empresa de transporte e polícia não “podem” fazer nada.

Vendedores de pulseirinhas

Outra praga da cidade são os “presenteadores” das míseras pulseirinhas que se espalham pela Praça Duomo e imediações do Castelo e insistem em dar uma de presente, já colocando-a no seu pulso.

De presente aquilo não tem nada e logo depois eles começam a insistência de receber alguns trocados pelo presente.

Diga grazie, olhe firme para frente e fuja dessa roubada.

A ‘simpatia’ dos milaneses

Ainda não descobri se as coisas melhoraram um pouco (no comércio, principalmente) ou se sou eu que, depois de 13 anos aqui, criei uma auto-defesa ou me tornei um poquinho como eles. Fato está que o milanês ou quem está nessa cidade há muito tempo e aqui vive e trabalha, não primam pela simpatia.

Muitos são (ainda bem!!) educados, mas o quanto basta e nada de sorrisos. Comportamento que você encontra nas lojas, restaurantes, museus e outros vários lugares (que por exemplo, eu frequento como local).

Nesse quesito a cidade também tem que dar passos gigantescos.

1 2 3 69