Triennale de Milão: o museu do design

A Triennale de Milão é a instituição italiana para a arquitetura, artes decorativas e visuais, o design, a moda e a produção audiovisual.
Desde 2007 o Palácio das Artes, que abriga a Triennale, retomou sua função original e inaugurou o Museu do Design.
As exposições temporárias são de grande qualidade e entendem explicar o que é o design italiano não só do ponto de vista técnico, projetual e estético, mas também analisando o contexto histórico e social.

A História de Milão e seus monumentos

Milão tem fundação pré-romana quando por aqui chegaram os celtas e fundaram um pequeno vilarejo (na área da atual Praça Scala) por volta de 388 a.C.

De 286 a 402 d.C foi capital do Império Romano e o pouco que sobra dessa época na cidade, contei no post sobre a Milão Romana.

Com o fim do império, Milão passa por algumas invasões bárbaras e começa a fazer parte do Sacro Império Romano.

Bondinho histórico de Milão: 90 anos do ícone da cidade

Toda cidade tem seus clássicos. Milão tem o Duomo, a estreia do Scala, o risoto com ossobuco, o jogo Inter x Milan e o meu mais amado, o tram, tanto que o logotipo de blog inclui ele também para representar a cidade.

Costumo também dizer que um dos barulhos de Milão é a freada dos bondinhos amarelos mais antigos, que agora em novembro 2017 estão fazendo 90 anos.

Caravaggio e Milão

Caravaggio nasceu em Milão no dia 29 de setembro de 1571 e foi batizado na Paroquia de Santo Stefano, igreja que fica numa rua atrás do Duomo de Milão. Quatro anos depois, para fugir da peste, a família se transfere para a cidade de Caravaggio, daí o apelido.

O jovem voltou a Milão em 1584 e por cerca de 4 anos, foi aprendiz de Simone Peterzano, um pintor expoente do maneirismo lombardo com influências da pintura veneta.

O significado dos nomes das ruas de Milão

Toponomástica é o estudo dos nomes de ruas, lugares e cidades. Quantos significados de nomes de ruas das cidades nas quais vivemos ou visitamos conhecemos?

Se a tarefa fica um pouco mais fácil no país de residência (qual é o brasileiro que não sabe o que aconteceu no dia 7 de setembro), quando visitamos uma cidade estrangeira, mapas e endereços nas mãos, nos deparamos com nomes muitas vezes impronunciáveis e datas que não temos a mínima ideia do que respresentam.

Há alguns séculos atrás, as ruas milanesas não tinham um nome. Foi só em 1785, durante a dominação austríaca, que a toponomástica da cidade por ordem do governador do império foi imposta junto com a numeração das casas e a colocação de lampiões a óleo em cada esquina.