Gastronomia italiana: pratos principais

Este post  faz parte da Blogagem Coletiva de Gastronomia Italiana, promovida por blogueiras brasileiras residentes na Itália que durante às sextas-feiras de outubro irão publicar  uma série de textos sobre especialidades da cozinha italiana. O post de hoje aqui no Milão nas mãos traz os pratos principais da região da Lombardia.

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Continuando o ritual das refeições italianas, depois das entradas, das quais falamos nesse post, temos os pratos principais, divididos em primi (primeiros) que são a base de massa ou arroz e secondi (segundos), que ficam entre as carnes e peixes e seus acompanhamentos.

Mas a cozinha da Lombardia, e especificamente a milanesa, tem também seus pratos únicos, como é  caso da Cassoeula, ensopado que tem origem na “cozinha pobre” (simples), feita de verduras e carnes pouco nobres, como as linguiças.

A cassoeula

A cassoeula

A cassoeula é muito consumida por aqui nessa época do ano, por ser um prato forte e que é servido bem quente. Faz parte das comemorações dos aniversários de várias cidades dos arredores de Milão, festejados entre outubro e novembro.

É nessa época do ano também que os milaneses comem muito a trippa, aqui chamada de busecca, que é preparada também em outras regiões da Itália e é o estômago do boi. Nada mais nada menos do que a nossa conhecida dobradinha.

Podemos dizer que Milão não tem um prato de massa característico, mas aqui na região das montanhas, o pizzoccheri, massa feita de trigo sarraceno e cozida com batatas, erbette e queijo derretido, impera. Assim como a polenta, que acompanha carnes como cervo, coelho ou queijo e funghi.

Mas se estamos aqui para falar de um prato desse lugar, temos dois grandes protagonistas da gastronomia italiana conhecidos no mundo, um primo e um secondo: o risoto à milanesa e o bife à milanesa.

O risoto de açafrão do restaurante Pisacco

O primeiro é o que chamamos também de risoto amarelo, porque é a versão do prato feito com o açafrão e que nasceu aqui, onde a lenda conta que um dos pintores dos vitrais do Duomo (que eram feitos com cores de elementos naturais), no século 16 usava muito o açafrão para calibrar várias cores e um dia seu chefe soltou: “só falta um dia você colocar açafrão até no risoto”.   O pintor aceitou a provocação e dias depois nascue o risoto com uma pitada de açafrão: o risotto alla milanese.

Como eu disse, o risoto é um primeiro prato, mas aqui também é muita famosa e adorada por essa que vos escreve, a versão do risoto a milanesa servido com carne de ossobuco. O melhor que comi na cidade, foi em um dos restaurantes do hotel Four Seasons de Milão, mas isso é assunto para um outro post.

Já o bife à milanesa, aqui chamado de cotoletta, parece ter influências de época de dominação austríaca. Quase sempre é feita com o bife da carne de boi, mas existem algumas versões de frango. O segredo está na espessura (não pode ser muito grosso) e na maciez da carne.

O bife à milanesa do Milano Bakery

O bife à milanesa do Milano Bakery

Casseoula, tripa, pizzocheri, risoto e bife a milanesa…quando você passar por Milão, vai ter que ficar muito mais de um dia para provar tudo.

Buon apetito!!

Para ler os outros post que fazem parte da blogagem coletiva de gastronomia italiana acesse os links:

Brasil na Itália
Passeios na Toscana
Turismo em Roma
Viagem na Itália

 

6 respostas
  1. Barbara says:

    Oi Magê, tudo bem?

    Já está na hora do almoço e vim aqui para abrir o apetite.. rs :)

    Bom conferir os pratos milaneses… O risotto alla milanese con ossobuco é um clássico. Mas o meu preferido, dos que você mencionou é a cotoletta ..

    Um abraço aqui da Toscana,

    Barbara

    Responder
  2. Maria says:

    Bife à milanesa, risoto de açafrão e cassoeula… sabores da cozinha milanesa :-)

    Futuramente espero poder provar os últimos dois, os quais ainda não tive a oportunidade de comer.

    Abraços,

    Maria

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *