Itinerário Milão Romana: o que ver na cidade

Mediolanum. A grande parte dos turistas e mesmo os locais, caminham pelas ruas da cidade conhecida como ‘cidade da moda’ sem saber (ou lembrar) que por quase 200 anos, Milão (chamada pelos romanos de Mediolanum) foi capital do maior império que já existiu por essas bandas de cá.

Feita capital em 286d.C, a cidade que hospedou o então Imperador Massimiano (designado para governar o Império do Ocidente) se embelezou de todos os grande edifícios dignos de uma capital.

Mediolanum_romana

Teatro, anfiteatro, termas, palácios imperiais, fórum, templos e, com a promulgação do Edito de Milão em 313d.C, onde o Imperador Constantino legalizava o cristianismo, as primeiras basílicas cristãs da cidade.

Pouco disso tudo resta inteiro, depois que em 1162, o bárbaro Federico Barbarossa destrói a cidade. Mas para quem tem tempo e curiosidade sobre a época, pensei em um pequeno mas significativo itinerário da Milão Romana.

Boa expedição arqueológica! OBS:. para informações, endereços e horários das visitas, consulte os sites de cada atração. A maior parte das igrejas em Milão fecha no horário de almoço, aproximadamente das 12.30 às 15.30.

Museu Arqueológico

O museu municipal milanês, conta com uma coleção de restos romanos como pisos e decorações de casas, assim como peças e estátuas da época.

Destaque, na área do pátio interno, para a torre octogonal que fazia parte do Circo Romano, que era a pista usada para as corridas de bigas.

Informações Museu Arqueológico de Milão 

Palácios Imperiais – Via Brisa

Pouco distante do museu, os restos do Palácio Imperial construído pelo Imperador Massimiano no século 3, são visíveis para quem passa na rua.

Teatro

Os restos do teatro romano milanês, construído antes de Cristo e destruído pelo bárbaro Federico Barbarossa em 1162, ficam nos subterrâneos da atual Câmera de Comércio e são visitáveis só com reservas feita por email e telefone.

Informações Visitas Teatro Romano

Forum

A área onde se cruzavam os dois eixos principais das cidades romanas (cardo e decumano) era o principal espaço de reunião da cidade. No Foro se concentrava os principais edifícios da vida política, comercial e política da cidade: mercado, as basílicas, os templos, a casa da moeda, etc.

Os restos do Forum romano de Milão estão nos subterrâneos da Pinacoteca Ambrosiana e são visitáveis todo primeiro sábado do mês.

Site Ambrosiana – visitas ao Forum Romano de Milão 

Complexo Episcopal

Muitos dos turistas que visitam o Duomo de Milão desconhecem a existências dos restos arqueológicos nos subterrâneos da catedral.

Restos de época romana nos subterrâneos

Partes do batistério de San Giovanni e da Basílica de Santa Tecla, os dois construídos no século 4, constituem uma das áreas arqueológicas mais importantes e bonitas da cidade. Não perca!

Site do Duomo de Milão 

Estações Duomo e Missori

Essas duas estações do metrô em pleno centro da cidade conservam restos arqueológicos (visíveis através de vitrines) em seus corredores.

Basílica de San Lorenzo

A mais imponente basílica paleocristã de Milão, provavelmente construída por determinação imperial, era decorada com esplêndidos mosaicos, hoje em parte presentes só na bela Capela de San Aquilino.

Os muros perimetrais da basílica ainda são os originais.

Site da Basílica de San Lorenzo

Colunas de San Lorenzo

16 colunas romanas, provenientes de um edifício desconhecido do século 2, são visíveis em frente a Basílica de São Lourenço em Corso de Porta Ticinese.

collonesanlor4

Anfiteatro

Em Via de Amicis os pouquíssimos restos do que foi o anfiteatro milanês, inseridos dentro de um parque.

anfiteatro

Site Anfiteatro Romano Milão

Necropole – Sant’Eustorgio

Nos subterrâneos da antiga basílica é possível visitar parte de uma das antigas necrópoles de Milão.

Site Basílica de Sant’Eustorgio 

Mausoléu Imperial

Restos de um antigo mausoléu, construído na época do Imperador Massimiano, são visitáveis nos subterrâneos da Igreja de San Vittore.

Informações visitas Mausoléu Imperial 

Basílicas Ambrosianas

Nominado arcebispo de Milão em 374d.C, Ambrosio começou a construção de 4 basílicas colocadas nos pontos cardeais da cidade.

Dedicadas a: profetas, mártires, apóstolos e a Virgem Maria, das quatro hoje restam ainda três em Milão. Restauradas nos séculos passados, ainda conservam partes originais e são de grande importância no passado religioso da cidade.

Basílica de Sant’Ambrogio

Antiga basílica dos mártires, foi consagrada já em 386d.c e hoje leva o nome do padroeiro de Milão.

Restauradas durante os séculos, conserva o mosaico paleocristão na capela de San Vittore in Cielo d’Oro. Lindo!

Santo Ambrogio Milao

Site Basílica de Sant’Ambrogio

Basílica de San Nazaro

Situada em Corso de Porta Romana, o eixo principal na época do Império, era a basílica dedicada os apóstolos.

Informações Basílica de San Nazaro

Basílica di San Simpliciano

Antigamente dedicada a Virgem Maria, hoje ainda conserva parte dos muros perimetrais originais e uma pequena capela paleocristã situada atrás do altar.

Site Basílica de San Simpliciano

Basílica de San Dionigi

Era a basílica dedicada aos profetas. Situada na atual Corso Venezia, foi a única das quatro abatida e não se tem muitas informações a respeito de como fosse.

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Para quem não sabe, antes disso, a capital do Império Romano foi por quase 200 anos, Milão, como bem explicado neste post do blog Milão nas Mãos. Mas Ravena ficou marcada na história por ter sido a última capital e por ter testemunhado a […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *