Passeio em Franciacorta com visita à vinícola e degustação

A Itália é um dos maiores produtores mundial de vinho. A abertura aos mercados externos nas empresas italianas aconteceu em tempos relativamente recentes e é por isso que no mundo, qualquer pessoa sabe do que se está falando quando é nominado o Champagne ou o Bordeaux mas só quem é realmente interessado em vinho conhece os nossos Franciacorta ou Sassicaia, só para citar alguns exemplos, que são vinhos que não deixam nada a desejar aos nossos “primos” franceses.

Quem passa por Milão tem a oportunidade de conhecer a Franciacorta, uma das pérolas da vinicultura e enologia italiana para uma visita e degustação em uma das suas vinícolas.

Na região são produzidos alguns dos melhores vinhos italianos que são chamados Franciacorta, único termo que define território, método de produção e o vinho.

A FRANCIACORTA

A região, situada nos arredores do Lago d’Iseo (Brescia) é imersa em uma bela paisagem caracterizada pelas colinas e a vastidão dos seus 3.000 hectares de vinhedos espalhados por 19 cidadezinhas.

A presença das colinas e do lago, conferem ao território o micro clima ideal para a produção das uvas Chardonnay, Pinot Nerto e Pinot Bianco necessários para a produção do Franciacorta pelas cerca de 100 vinícolas do território.

Paisagem Franciacorta Italia

O FRANCIACORTA

A primeira produção de Franciacorta foi lançada em 1961, depois que um jovem enólogo propôs ao visionário empresário Guido Berlucchi, de produzir um ‘espumante’ com o mesmo método do champagne.

Em 1995 o método de produção é oficialmente reconhecido e o termo vinho espumante é abandonado. No mesmo ano, o Francioacorta obtém também o reconhecimento D.O.C.G (Denominação de Origem Controlada e Garantida).

Hoje o Franciacorta se coloca como um dos grandes vinhos italianos, com uma produção ‘limitada’ de 15 milhões de garrafas por ano, 90% consumidas pelo mercado italiano.

IMG_9231

Produzido sob as regras rígidas do ‘disciplinar’ do Consórcio Franciacorta, passa por duas fermentações (sendo a segunda na garrafa) por período que vão de um mínimo de 18 meses podendo chegar até 7 anos.

As variedades de ‘afinamento’ produzem tipos diferentes de Franciacorta como o Brutt, Satén, Rosè, Millesimato, Pas dosé e Reserva que podem acompanhar de aperitivos até refeições a base de carne e peixe.

VISITAS COM DEGUSTAÇÃO NAS VINÍCOLAS 

Ao longo desses anos vivendo aqui, tive a oportunidade de visitar várias vinícolas e aprender a entender e gostar sempre mais do Franciacorta (com certeza um dos meus vinhos favoritos aqui na Itália).

Além da grande qualidade do produto, o método de produção do Franciacorta é muito interessantes e bem mais complexo em relação a outros vinhos ‘fermos’ (parados) italianos.

As várias vinícolas da região propõe visitas e degustações um pouco diferentes, mas em todas elas é possível aprender sobre a produção do Franciacorta em tours que podem durar de 30 min a 1 hora com uma degustação final que pode variar de 1 a 6 vinhos.

IMG_3214

Geralmente elas são feitas em italiano ou inglês e é necessário reservar antes, já que são cerca de uma ou duas visitas por dia e algumas vinícolas não abrem nos finais de semana.

Se você preferir, pode fazer uma visita a uma das vinícolas com meu acompanhamento e tradução. Clique no botão abaixo para informações, sem compromisso.

Tim tim!!



19 respostas
  1. Alaor says:

    Olá Magr.Cheguei em Milão hoje (26/12) com a família (4). Tenho interesse em conhecer uma vinícola e vamos ficar aqui até 1/1/16, quando retornamos p o Brasil. Aguardo contato. Alaor

    Responder
  2. Lucimate says:

    Oi Magê, adoro seu blog. Chegaremos em Milão no final de janeiro e gostaríamos de fazer a visita à Vinícola, como faço para reservar? Iremos eu, meu marido, minha filha de 12 e o menino de 16 anos.

    Muito obrigada

    Responder
  3. Maria Alice Benevides says:

    Olá, gostaria de saber estando em Milão, tem como contratar um passeio para degustar os espumantes da Franciacorta?
    Adorei todas suas informações. Estou indo para Milão em maio 2015.

    Responder
  4. Gabriele Garbin says:

    Olá, em outro post de vocês eu li sobre os vários vinhos da Lombardia. Me interessei muito pelos de Valtellina, sendo que gostaria de visitar uma vinícola de lá. Poderia indicar algum passeio? É próximo de Como?

    Responder
    • Mage Santos says:

      Ola Gabriele,
      Olha, confesso que nunca visitei uma vinicola na Valtellina. Eu acho a produção do Franciacorta muito mais interessante para uma visita.
      Mas a Valtellina não é nem um pouco perto de Como….

      Responder
  5. FRANCISCO ELOY DOS SANTOS says:

    Vez por outra, não me seguro e tenho que escrever alguma coisa para e por voce. Parabéns, sinto muita alegria e torço cada vez mais pelo seu sucesso. Realmente a sua forma de escrever é muito didática, fazendo que se entenda o que transmite, e bem. Quem já esteve na cidade por certo, é o que eu sinto, caminha junto, pelos cantos e encantos mostrados.
    Continuamos divulgando seu trabalho aqui pelo Brasil.
    Sou suspeito, mas na hora de despedir-me entrego o ouro,
    filhota, parabéns.
    Sucesso.

    Responder
  6. Kátia Moço da Costa says:

    Olá Magê,
    Boa tarde. Sou assinante do “Viaje na Viagem” e não poderia deixar de visitar o seu blog, falando dessa Cidade e do seu entorno, que guardo algumas recordações.
    Primeiro, parabéns pela forma e conteúdo: objetivo, elegante, ilustrativo suficiente, prazeiroso de ler;
    Segundo, invista sim, no tema “vinhos”, pela tradição dessa terra mas, principalmente, para ajudar àqueles que desejam incluir em seus roteiros, o conhecimento e o prazer propiciados pela visitação à vinícolas.
    Por último, não sei se voce já relatou, mas fiz há muitos anos atrás, quando participei do Salão do Móvel em Milão, passeio para almoço ao Lago Maggiori e dei Pescatori ( desculpe-me a grafia ). Nunca mais esquecí! Vou retornar a Milão para conhecer,’comme il faut’, porém quero revisitar essas duas jóias. Grande abraço,
    Kátia

    Responder
    • Mage Santos says:

      Obrigada pelos elogios Katia!!
      Acabamos terminando a nossa conversa por email, ne?
      A Franciacorta é mesmo linda e os espumantes italianos são muito bons.
      Bjs

      Responder
  7. Rita Branco says:

    Mage!
    Que maravilha!!! Já estou anotando tudo para fazer quando for aí para essas bandas! :)
    Fui convidada para fazer um roteiro aqui parecido com este, na região do vinho do Porto e do Douro. Deve sair no mês de Maio, vai estar tudo no blog! Tão bom conhecer e partilhar isto para as pessoas, né? Um beijo e parabéns!

    Responder
  8. Lilia David says:

    Oi, Magê. Fui apresentada ao seu blog pela Carmita (Carmen Lucia Uehara Gil da Silva), minha grande amiga e estou encantada com seu modo primoroso e atento aos detalhes de Milão. Estivemos na Italia no ano passado por quase um mês e essa foi uma das cidades que mais nos encantou! Parabéns pela iniciativa do blog, o qual já adicionei aos meus favoritos!! Bjssss

    Responder
    • Mage Santos says:

      Oi Li!
      Obrigada pelo seu comentario tao gentil. Fico feliz por o blog agradar aos leitores como voce, que estiveram na cidade por um tempo e que melhor, gostaram. Milao è mesmo uma grande cidade, basta ter a sensibilidade de descobri-la.
      Um grande abraço, continue seguindo o blog e bem-vinda!
      Mage

      Responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] é não perder uma visita a belíssima região que dá nome ao mais renomado espumante italiano, o Franciacorta, produzido com o método clássico (como Champagne e […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *