Posts

Música Clássica nas Igrejas

Para o turista amante da música clássica que não conseguir bilhetes para um concerto no Teatro alla Scala, Milão oferece uma rica programação de música nas mais belas igrejas da cidade, na maior parte das vezes, grátis.

A graciosa igreja de San Fedele (pertinho do Duomo) propõe uma verdadeira temporada musical, com concertos que vão até junho 2013, a cada 2 semanas (mais ou menos) sempre aos domingos às 17.00 com ingresso gratuito. Leia a programação completa aqui.

A igreja de San Fedele

Outra alternativa são os concertos na suntuosa igreja de Santa Maria della Passione (também perto do Duomo) que apresenta um programa a cada segundo domingo do mês às 16.30, também grátis , até junho do próximo ano.

O interior da igreja de Santa Maria della Passione

A medieval Basilica de San Marco, no bairro de Brera, oferece em novembro 3 datas com concertos de música antiga, sempre às 21.00 com igressos a 12 euros. Junto com outras igrejas milaneses,  a Basilica é uma das mais importantes da cidade. Clique para conferir a programação.

Sempre em novembro, a iniciativa Cantantibus Organis apresenta 2 concertos para orgão: dia 18 na antiguissíma e belíssima Basilica de San Simpliciano às 17 com entrada franca. No dia 25 o concerto será apresentado na moderna igreja (foi construída em 1932) de Santa Maria Annunciata in Chiesa Rossa, sempre às 17 e com ingresso gratuito. Veja a programação.

O interior da Basilica de San Simpliciano

Onde mais você poderia apreciar uma boa música em cenários repletos de obras de arte, afrescos e esculturas?

Mostra Constantino 313 d.C

Muita gente não sabe, mas Milão foi capital do Império Romano do Ocidente de 286 até 402 d.C. Era a Mediolanum para os romanos.

Hoje resta pouquíssimo das construções romanas na cidade e a maior parte dos restos são acessíveis nos subterrâneos de edifícios, mas Milão era dotada de circo, termas, anfiteatro, teatro e palácios imperiais.

Um dos episódios mais importantes da Milão Imperial foi a proclamação em 313 d.C, por parte do imperador Constantino, do Édito de Milão, também conhecido como Édito da Tolerância, que declarava que o Império Romano seria neutro em relação ao credo religioso dos habitantes, legitimando o cristianismo e outras religiões e acabando oficialmente com as perseguições.

Para comemorar em 2013 os 1.700 anos da proclamação do édito, o Museu Diocesano de Milão inaugura, na póxima quinta-feira, no Palazzo Reale uma grande mostra com um percurso dividido por temáticas: Milão capital imperial, a conversão de Constantino, os símbolos de poder do Imperador, entre outras.

Ao todo serão mais de 200 objetos preciosos de arte e arqueologia provenientes de vários museus internacionais (Londres, Viena, Washington e Paris). Uma parte da mostra será dedicada a Helena, mãe do Imperador, figura de grande importância dentro da corte e que mais tarde se tornou santa.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Costantino 313 d.C
De 25 outubro 2012 à 17 março 2013
Palazzo Reale – Praça Duomo, 12
Segundas das 14.30 às 19.30
De terça à domingo das 9.30 às 19.30 (quintas até às 22.30)
Ingresso: 9 euros

 

Muji to Go em Milão

Loja Muji to Go no subsolo da Rinascente

Muji to Go é a loja japonesa que acaba de desembarcar no Design Supermarket da loja de departamentos por excelência de Milão La Rinascente.

É tudo o que você espera de uma loja japonesa: a precisão em uma infinidade de produtos para estudar (cadernos, caderninhos e cadernetas, lápis, canetinhas, canetões, cartões de aniversário e por aí vai), casa, tempo livre, mas o forte da marca são os produtos para viagens. O conceito principal é: compacidade, funcionalidade e comforto.

São uma série de produtos para viajar mais leve (sempre que isso seja possível), que vão dos clássicos frascos para armazenar cremes e shampoos aos impermeáveis (15 euros) que você corta nas mangas e no comprimento para melhor ajustá-los, camisetas e encharpes comprimidas em uma embalagem que vira uma quadradinho (15 euros) e para o público feminino o ótimo multi-cape (49 euros), uma peça versátil para quem viaja, que pode ser usado como echarpe, cardigan, xale, colete e etc. Praticamente um origami, com mil desdobramentos.

Multi cape Muji to Go (49 euros)

Quando passar pela La Rinascente (e você vai passar), dê uma olhada. Coisa de japonês!!

Picasso em Milão

Picasso está em Milão. Não é a primeira vez, já que a cidade hospedou 2 mostras históricas no artista espanhol em 1953 e 2001. Mas uma mostra de Picasso causa sempre efeito por onde passa e por aqui não será diferente.

Aberta em 26 de setembro, estarão em exposição um pouco mais de 200 obras,  quadros, esculturas, desenhos e livros ilustrados, trazidas do Museu Picasso de Paris e algumas expostas pela primeira vez fora do museu parisiense que ficarão nas salas do Palazzo Reale até 6 de janeiro de 2013.

A mostra reúne obras-primas como Paul vestido de arlequim (1924), Celestina (1904) e Retrato de Dora Maar (1937).

Paul vestido de arlequim (1924)

Com a curadoria de Anne Baldassari, conhecida a nível mundial como uma das maiores estudiosas de Picasso e curadora do Musée National Picasso di Parigi, a mostra é uma excursão cronológica na produção do artista e cobre todas as fases fundamentais de sua carreira.

Mostra Pablo Picasso
Palazzo Reale – Piazza Duomo, 12
Até 27 de janeiro 2013
De segundas às quartas das 8.30 às 19.30
De quintas aos domingos das 9.30 às 23.30
Ingressos: 9 euros
 

Gallerie d’Italia-Piazza Scala

Em uma manhã de domingo de junho tive o prazer de seguir a iniciativa anual dos Cortili Aperti (Pátios Abertos) organizada pela Associoazione Dimore Storiche Italiane que acontece só durante um dia no ano.
Esse ano foram 14 pátios concentrados no centro da cidade e entre eles o recém aberto Gallerie d’Italia – Piazza Scala. Um museu encravado entre as ruas da moda.

museus milao
Nesse magnífico espaço da Milão neoclássica muito bem conservado, a iniciativa privada (bancos) colocou a disposição uma rica coleção de arte e realizou um espaço expositivo de seções temáticas que reúne obras lombardas de grande significado histórico do século 19 e 20.
As coleções são divididas entre século 19 a chamada “Da Canova a Boccioni” e reúne quase 200 obras divididas em 13 seções distribuídas em 23 salas  do Palazzo Anguissola e o Canteiro 900, que reúne as obras do século 20 no magnífico Palazzo Brentani, antigamente sede do Banca Commerciale Italiana. Só os palácios, já valeriam a visita.

gallerie ditalia mlao museus

A entrada é em Piazza Scala e a visita começa, estranhamente, de trás para frente, já que alí fica toda a coleção do século 20. Obras de Lucio Fontana, Piero Manzoni e outros grandes artistas italianos do século passado, enchem as salas. Atravessando um pequeno corredor, superando a cafeteria e chegando no espaço que liga os dois palácios, não deixe de admirar no pátio interno uma das esculturas disco de Arnaldo Pomodoro. No Palazzo Anguissola a visita começa com os belíssimos gessos em relevo de Antonio Canova (são 13 ao todo), passando depois  pelas pinturas de Hayez e por quadros que retratam a paisagem de Milão e do territorio lombardo. A exposição se conclui com as obras do início do século 20 do futurista Umberto Boccioni.

mseu milao gallerie italia

A Gallerie d’Itália se tornou, nesse pouco tempo desde a sua abertura, uma referência e uma bela realidade cultural para a cidade. Eu aconselho todos que passam pela cidade a dar uma entrada e apreciar um pouco de arte e beleza arquitetônica.

O museu possui também uma livraria e um agradável café-restaurante com uma entrada independente, na esquina da praça. Entre uma comprinha e outra, fica ai a dica.

Galleria d’Italia – Piazza Scala
Piazza Scala, 6
De terça a domingo das 9.30 às 19.30
Quinta até às 22.30
Ingresso: 5 euros (inteiro) – 3 euros (meia)
Durante as mostras especiais: 10 euros (inteiro) – 8 euros (meia)