Posts

Verdades e mitos sobre Milão

É sempre assim: você planeja uma viagem para uma cidade e algum amigo ou familiar que conhece (ou até não) o lugar começa a elencar uma série de lugares comuns, que vão desde a gastronomia até uma analise (que parece) profunda sobre a população.

Mas o que é realmente verdade ou só puro mito sobre as cidades? Nesse post, escolhi cinco verdades e mitos sobre Milão para ajuda-lo a conhecer um pouco melhor a cidade, mesmo antes de pisar seus pés por aqui.

Snapchat: essa sala de estar divertida

Vídeos de 10 segundos cada, as vezes nem cabe toda uma frase inteira e por isso para contar uma história, você tem que fazer vários e também pode intercalar com fotos, pode colocar legendas, filtros e até divertidos ‘selinhos’ da cidade ou bairro que você está, além da temperatura, velocidade, do horário. Pode decidir pela câmera lenta, rápida, rewind…

Mas atenção, tudo isso vai ficar disponível para seus seguidores (que você não sabe exatamente quantos são) por 24 horas. Sim, 24. Depois tudo some, como num passe de mágica. Quem viu, viu. Quem não viu, visse.

Depois de Twitter, Facebook e Instagram, a bola da vez é o aplicativo Snapchat, aquele do fantasminha no fundo amarelo e que você já deve ter ouvido nominar.

Setembro é quando tudo começa

Setembro aqui é ano novo: o cheiro dos cadernos novos, as histórias das férias, as cores do outono que começam a pintar a cidade, o cair da noite, os bons propósitos, a cidade que retoma seu ritmo.

5 regras de bom comportamento para sua estadia em Milão

O assunto pode parecer delicado, mas por menos tempo que você passe em um país ou uma cidade como turista, é indispensável absorver algumas regras comuns (de educação ou civis) para que tudo possa fluir da melhor maneira possível, porque é comum a gente ver turistas reclamando desse ou daquele povo (anfitrião), mas muitas vezes vejo atitudes da parte de turistas que é melhor nem comentar.

Nós brasileiros somos informais, mais relax em viver as coisas do dia a dia, mas muitos desses hábitos, comuns nas cidades brasileiras, aqui são considerados mal educados  e acabam muitas vezes criando situações desagradáveis e causando “puxões” de orelhas desnecessários.

Isso não quer dizer que os italianos sejam perfeitos e educadíssimos, mas vocês está na casa deles e cada casa tem suas regras.

Aqui fica a minha pequena contribuição de dicas de 5 regras de bom comportamento para a sua estadia em Milão (e pela Itália em geral).

1. Idioma

Escuto frequentemente dos meus clientes, que o italiano é difícil. Que quando falamos rápido, não dá para entender nada.

Então porque os turistas brasileiros acham que o contrário não é assim? Os italianos não entendem o português e você não pode falar com uma pessoa aqui, como se estivesse falando com alguém no Brasil.

Não, você também não é obrigado a falar o italiano, mas se tiver que falar português, fale devagar. Quem trabalha com turismo, está acostumado com estrangeiros e com tentativas de comunicação improvisadas. Então, se você fizer a sua parte, com certeza irão se entender, afinal são sempre línguas neo latinas.

Nada te impede também de aprender aquelas palavrinhas mágicas, que funcionam no mundo inteiro. Em italiano elas são: per favore e grazie. Só para começar.

2. Lojas/Compras

Nunca “se sirva” sozinho, atravessando a loja e indo pegar aquela blusa na prateleira como se fosse o seu armário.

Evite tocar nos produtos expostos, inclusive nas vitrines. Isso serve tanto para lojas de roupas e sapatos como também para lojas de frutas e verduras e até bancas em feiras.

makeup-counter-bear296

Sim, eu já vi brasileiros fazerem as duas coisas, sem esperar serem atendidos por vendedores que estavam ali para isso. Eu sempre sinto aquela vergonha alheia.

Tudo isso muda se você estiver em uma loja fast fashion como Zara, H&M e similares ou até em empórios como a Eataly, onde o esquema é mais o faça você mesmo.

3. Restaurantes

Quando entrar em um restaurante, espere ser recebido por alguém, diga o número de pessoas e conduzido até a mesa disponível.

IMG_1650

Evite entrar, escolher uma mesa e sentar, por mais que a sala esteja vazia. No máximo será o garçom que vai te dizer de escolher a mesa que preferir.

4. Transporte

Para quem usar o metrô: antes de entrar no vagão, espere que as pessoas que estão dentro desçam, sem ficar na frente da porta. É muito mais fácil entrar em um vagão mais vazio, sem ter que dar barrigadas em ninguém.

metro milão

Para todos os transportes públicos: mantenha até o final da viagem o bilhete para eventuais controles. Valide sempre os bilhetes (também quando usar o mesmo para tipos de transporte diferentes), porque caso contrário, a multa é bem salgada.

5. Volume da voz

O italiano tem fama de falar alto, mas não é bem assim, pelo menos por aqui.

Controle o volume da sua conversa quando estiver em restaurantes, lojas e até nos trens para evitar olhares fulminantes de quem está ao seu lado.

Faça a sua parte e tudo vai correr bem!

Milão e bicicletas

Milão não é a cidade mais bike friendly da Itália, título que fica com a cidade de Ferrara, mas ainda assim, os milaneses são  bem chegados em uma duas rodas.

Ciclitas em Milao bicicleta

Foto: Milão nas mãos

Usar bicicletas para se locomover nessa cidade é normal, apesar da rede de ciclovia ser insuficiente e bem interrompida,  das ruas do centro serem pavimentadas com um tipo de paralelepípido (que chamamos de pavè) que é como uma cruz para os ciclistas dessa cidade e mesmo com a altíssima taxa de roubos de bicicletas por aqui. Mais do que normal, é inteligente, já que para entrar de carro no centro de Milão existe uma taxa, estacionar nas ruas é impossível e nos estacionamentos, caríssimo.

Quem usa bicicleta como meio de locomoção aqui, o faz com frio, chuva ou calor. Para ir trabalhar, passear, fazer  compras ou levar o filho na escola. De terno e gravata, saias, jeans, bolsa e mochila.

Milao em bicicleta

Foto: Milano Cycle Chic

Milao biciclieta

Foto: Milano Cycle Chic

Eu lembro uma vez, no ano passado, que uma amiga brasileira que vive aqui há poucos anos, comentou que se no Brasil alguém chegasse de bicicleta em algum lugar, seria considerado um pobretão. Não sei se seria assim, eu espero que não.

Aqui, a bicicleta não é nem mais considerada chic, mas sim uma escolha ecologicamente responsável. Em Milão  existe até bikeboy (os Urban Bike Messengers), que é a tradução que eu fiz para os nossos brasileiríssimos motoboys, que fazem entregas só em bicicleta.

Milao Bicicletas

Fotos: Milão nas mãos

Com a chegada da primavera, o volume de bicicletas aumenta, já que é mais fácil e agradável pedalar. Eu mesmo sou uma que incremento o número de bikers, já que muitas vezes troco o metrô pelas bicicletas do serviço de compartilhamento da prefeitura, o BikeMi.

Para quem quer alugar uma magrela, sem a preocupação de ter que se registrar em um site e obedecer as regras do compartilhamento, a cidade oferece opções como a histórica loja Rossignoli.

Recentemente, foi até lançado a versão milanesa de um blog-projeto, que se chama Cycle Chic e foi ideado por um fotográfo biker dimamarquês. Os blogs reúnem fotos de ciclistas chics, cada um com seu estilo e Milão não poderia ficar de fora de uma iniciativa assim.

Milao em bicicleta

Foto: Milano Cycle Chic

Mas se a escolha é se locomover de bicicleta, mesmo para os turistas, alguma regras devem ser respeitadas:

– mãos no guidão e mantenha a direita

– nada de pedalar na contramão

– proibido celular

– nada de velocidade, mesmo nas ruas só para pedestres

Boa pedalada!!