Posts

Panetones artesanais em Milão

Outono, seguido do início do inverno e o frio apertando… Não podemos mais fazer de conta que não dá para perceber que o Natal está chegando.

Em Milão não existe idéia de Natal que não seja associada ao mais famoso doce natalino que essa terra exportou e fez conhecer ao mundo todo: o panettone. Ou como é chamado aqui, em dialeto: panetùn.

E aqui vou escrever assim, com 2 t’s, por respeito a tradição desse pão doce, nascido em terras ‘meneguinas’ durante o Renascimento, quase por acaso.

panettone-milanese

As lendas da criação do panettone são muitas, mas existem duas mais famosas: a minha preferida conta que durante um banquete de Natal na corte do Duque Ludovico Sforza (século XV), o doce preparado para o evento foi esquecido no forno e queimou. Um ajudante do cozinheiro, chamado Toni, que naquela manhã tinha preparado um pão com restos de farinha, ovos, manteiga e frutas cristalizadas propôs ao chefe de serví-lo. O cozinheiro, na falta de alternativa, aceitou a proposta e levou à mesa o pão preparado, que fez sucesso entre os convidados. Perguntado como se chamava o doce, o cozinheiro respondeu: é o pão de Toni. Daí o nome.

A outra lenda, um pouco mais romântica, fala de um jovem que, apaixonado pela filha de um padeiro (quase em falência), consegue um emprego na padaria do pai da amada e para aumentar as vendas inventa um pão doce feito a base de farinha, ovos, manteiga e frutas cristalizadas. O pão é um sucesso, as vendas aumentam, o padeiro não fecha e dá a filha em casamento ao jovem.

Qualquer que seja a origem verdadeira do panettone, se você estiver por aqui no Natal não pode deixar de nota-lo nas vitrines das mais famosas confeitarias milanesas, que vendem o produto a preço de ouro (em média custam 30 euros/kg). Sim, porque se aqui o panettone das principais marcas industriais encontrados nos supermercados já são bons, os panettones de confeitaria são uma pérola artesanal e vão da versão classica, as com nozes, tamaras, cremes e baunilha. Aqui em Milão alguns famosos são: Pasticceria Cova, Pasticceria Marchese, Pavè, Pasticceria Gatullo, Peck, Pasticceria Knam, essa última, comandada por um confeiteiro alemão que aprendeu a rate do panettone milanês, como mostra no vídeo abaixo (em italiano)

 Algumas dessas confeitarias vendem o produto o ano todo, mas para quem não quer comprar um panettone inteiro mas não quer deixar de provar essa delícia no lugar onde ele nasceu, em confeitarias como Marchesi e Pavè é possível pedir uma fatia para acompanhar um café ou uma xícara de chocolate quente.

Pasticceria Cova
Via Montenapoleone, 8
 
Peck
Via Spadari, 9
 
Pasticceria Marchesi
Via Santa Maria della Porta, 11
Via Montenapoleone, 9
Galleria Vittorio Emanuele
 
Pavè
Via Felice Casati, 27
 
Pasticceria Knam
Via A. Anfossi, 10

 

Liquidações em Milão

Estávamos todos um pouco mais contentes depois de escutar a notícia (não confirmada) de que nesse inverno, as liquidações em Milão começariam antes do Natal para ajudar nas vendas nesse terrível tempo de crise.

A alegria durou pouco. Está mais do que confirmado e divulgado que, como todos os anos, as liquidações milanesas vão começar depois do ano novo, no sábado 5 de janeiro e devem durar 2 meses.

Se você está por aqui, não existe época melhor para comprar pequenos sonhos de consumo com descontos que muitas vezes podem chegar a 50%. A dica é, se possível, aproveitar os primeiros dias: mais passam as semanas e os descontos são maiores, mas a variedade é menor e fica difícil achar tamanhos como P e M.

liquidacoesinvernomilao

Fila na frente da Gucci

 

 

 

 

 

 

 

 

Se a sua meta são lojas das grifes mais badaladas, prepare além da carteira a paciência para ficar do lado de fora (no frio) em uma fila mais ou menos organizada, esperando para entrar.

Boas compras!!

Moleskine City Notebook Milão

Na era dos smartphones e tablets que subistituem agendas e afins, um clássico muito analógico resiste: as cadernetas Moleskine.

Molenskine é o legendário caderninho (agenda, anotações e desenhos) dos artistas e intelectuais europeus: de Van Gogh a Picasso, de Hemingway ao escritor inglês Bruce Chatwin, que antes de partir para a Austrália comprou todos os Moleskine que conseguiu encontrar.

Produzidos por pequenas fábricas francesas que forneciam as papelarias de Paris, no final so século  passado eram praticamente impossíveis de encontrar. Em 1998, graças a um editor milanês, Moleskine finalmente voltou às prateleiras das papelarias e livrarias.

São várias versões com dimensões e páginas diferentes e, para os viajantes, a versão City Notebook.

Desde que comecei a aventura do Milão nas mãos com as minhas peregrinações pela cidade e anotações de dicas, endereços, preços e etc, comprei o meu e não me separo mais.

O City Notebook Milano (mas existem versões de várias cidades) é composto de mapa da cidadepor área, mapa do metrô, índice das ruas, conversor de medidas, 76 páginas em branco para você anotar ou desenhar tudo o que precisa, 96 páginas (com índice) para você catalogar e escrever notas pessoais de restaurantes, hotéis, bares, museus e etc. Para terminar, 32 post-it para deixar mensagens e 12 folhas de acetato para você sobrepor aos mapas e criar os seus itinerários. Ou seja, Moleskine pensou em tudo para você criar o seu guia pessoal da cidade.

O Moleskine City Notebook Milano custa 15,50 euros e é vendido nas melhores livrarias e papelarias da cidade. Eu comprei o meu na Libreria Rizzoli da Galeria Vittorio Emanuele.

Ótimo para quem vem sempre para cá ou para um presente especial.

Muji to Go em Milão

Loja Muji to Go no subsolo da Rinascente

Muji to Go é a loja japonesa que acaba de desembarcar no Design Supermarket da loja de departamentos por excelência de Milão La Rinascente.

É tudo o que você espera de uma loja japonesa: a precisão em uma infinidade de produtos para estudar (cadernos, caderninhos e cadernetas, lápis, canetinhas, canetões, cartões de aniversário e por aí vai), casa, tempo livre, mas o forte da marca são os produtos para viagens. O conceito principal é: compacidade, funcionalidade e comforto.

São uma série de produtos para viajar mais leve (sempre que isso seja possível), que vão dos clássicos frascos para armazenar cremes e shampoos aos impermeáveis (15 euros) que você corta nas mangas e no comprimento para melhor ajustá-los, camisetas e encharpes comprimidas em uma embalagem que vira uma quadradinho (15 euros) e para o público feminino o ótimo multi-cape (49 euros), uma peça versátil para quem viaja, que pode ser usado como echarpe, cardigan, xale, colete e etc. Praticamente um origami, com mil desdobramentos.

Multi cape Muji to Go (49 euros)

Quando passar pela La Rinascente (e você vai passar), dê uma olhada. Coisa de japonês!!

10 Corso Como

Esse é o endereço, esse é o nome da loja. Mas não a chame loja, 10 Corso Como é um concept store e se você está em Milão e quer grifes e design de luxo, nem que seja só para olhar, tem que passar por aqui.

Inaugurada em 1991 por Carla Sozzani (irmã da editora da Vogue italiana e figura carimbada da moda milanesa), é umas das mais (se não a mais) conhecida concept store da Itália: moda, design, uma livraria, uma galeria de arte, um café-restaurante e até um pequeno e exclusivíssimo hotel (3 Romms). Tudo reunido em um espaço aconchegante e muito bem cuidado.

Os preços são para orçamentos sem limites. No departamento feminimo, masculino e acessórios você encontrará marcas como: Balenciaga, Burberry Prorsum, Comme des Garçons, Diesel, Lanvin, Lavenham, Mackintosh, Martin Margiela, Moncler, Moncler Gamme Bleu, Paul Smith, Prada, Alexander McQueen, Balmain, Céline, Junya Watanabe, Lanvin, Marni, Mary Katrantzou, Miu Miu, Moncler, Prada, Christian Louboutin, Converse, Globe-Trotter, Manolo Blahnik, Marc Jacobs, entre outros.

Mas se a intenção não é acabar com sua conta bancária, entre, dê uma volta, olhe, pegue, prove e se no final decidir não levar nada, sente-se para tomar um café, um chá, uma taça de vinho ou até almoçar ou jantar antes ou depois de passar no espaço da galeria (2 andar) para conferir a mostra da vez (grátis).

Comece visitando o site, que já dá uma idéia do estilo refinado da loja e do espírito 10 Corso Como.

10 CORSO COMO
Corso Como, 10
Segunda à segunda das 11.00 às 19.30 (loja)
A galeria e a livraria fecham às segundas pela manhã
e abrem a partir das 15.30. Nos outros dias das 11.00 às 19.30
O bar- restaurante às segunda abre das 18.00 às 01.00
nos outros dias das 11.00 às 01.00