Posts

5 cafeterias para conhecer em Milão

Quem nunca pensou em um país europeu e em seus cafés e confeitarias, lugares onde se refugiar no inverno para um café da manhã ou só para uma pausa para um cafézinho, cappuccino e um docinho?

Nesse quesito, a Itália não decepciona, com seus ótimos expressos e o melhor cappuccino do mundo (é a terra dele) e suas briochès recheadas de cremes e geléias.

O Museu Alfa Romeo em Milão

O Museu Alfa Romeo, foi reaberto em 2015 na área do ex estabelecimento de Arese, às portas de Milão, para expor os modelos da marca que fazem parte da própria coleção da empresa, já que a Alfa Romeo é proprietária de 256 carros e 150 motores históricos.

Dividido em 3 sessões que contam a história da importante empresa automobilística milanesa, é um passeio entre a história industrial de Milão, beleza, design e velocidade.

Milão mês a mês: quando é melhor visitar a cidade

O período que uma pessoa escolhe para visitar uma cidade pode mudar segundo as suas necessidades e possibilidades. Por questões profissionais, pessoais, férias escolares, os motivos são os mais variados. Deixo aqui uma visão geral de Milão mês a mês e de quando é melhor visitar a cidade levando em conta os eventos, as temperaturas e o fluxo de turistas.

Pessoalmente, para quem não tem que conciliar férias escolares dos filhos, os melhores meses são maio e setembro, ainda que o segundo seja meu preferido. Mas tem também os milhares de brasileiros que vêm para o Salão do Móvel em abril ou prefere o alto verão e até o frio, aproveitando para esquiar.

Armani Silos e Mudec em Milão

Ainda longe da invasão turística, desde maio de 2015 o bairro de Zona Tortona ganhou dois novos museus, bem diferente entre eles: Armani Silos e Mudec, o Museo delle Culture.

O bairro, que tem um passado industrial recente, é cheio de grandes espaços como galpões, que nos últimos anos chamaram a atenção de grandes marcas da moda, que ali montaram seus show rooms e fotógrafos e artistas que estabeleceram seus estúdios.

Zona Tortona ‘ferve’ praticamente uma vez por ano, durante o Salão do Móvel, já que nas ruas do bairro é armado um dos espaços mais interessantes do Fuori Salone.

Test Drive de Ferrari em Milão

Esse post começa com uma premissa: nunca fui uma pessoa ligada em carros. Conheço as marcas, mas só os modelos mais populares, não tenho sonho de ter esse ou aquele carro. Muito difícil eu achar um carro bonito, babar.

Carros esportivos então, nunca fizeram a minha cabeça.

Mas quem mora na Itália, não foge do mito Ferrari. Vemos algumas nas rodovias, que roncam e humilham os pobres carros dos mortais e somem de vista em poucos segundos.

Eu sempre me contentei disso, de vê-las aqui e ali de vez em quando. Até que ano passado, pela primeira vez, visitei o Museu Ferrari com alguns clientes, como contei nesse post.

Ali sim, você tem a percepção a 360 graus, que La Rossa não é só um carro: é a aplicação do melhor do artesanato italiano em forma de carro. Porque aquilo é arte, design e engenharia colocados juntos.

Ainda que todos sintam bater mais forte o coração na frente dos modelos clássicos vermelhos, eu me apaixonei pelos modelos vintage, de época. Voltei mais uma vez ao museu e a casa de Enzo Ferrari como convidada, durante o blogtour da Região Emilia Romagna, contata nesse post.

E até fevereiro desse ano foi isso: admiração pelo mito italiano, só olhando.

Até que poucos meses depois, fui convidada pela Vanessa e o marido para um test drive de Ferrari nos arredores de Milão.

Test Drive Ferrari Milao

Eu, Vanessa e Ricardo

Porque se ver pela primeira vez uma Ferrari é emocionante, difícil descrever o que é a experiência de dirigir uma.

Eu sabia que iria dirigir um baita carrão, o carro dos carros, mas até aí, até você entrar, ligar e acelerar, você não tem a ideia da adrenalina.

Depois que cheguei no lugar combinado (em uma cidade às portas de Milão), entrei no carro e o Ricardo fez um briefing comigo, explicando como funciona o carro e como dirigir. Minhas mãos já suavam.

Tudo entendido e pronto, hora de ligar a “red lady”. E já esse momento leva teus batimentos cardíacos a mil. O ronco dela (que eu soube que é patenteado) já é lindo. Impossível que quem esteja em volta não olhe.

Percorremos as primeiras ruas, ainda dentro da cidade com calma, fazendo algumas rotatórias, até entrarmos em uma estrada secundária (aqui chamada de super strada) onde foi só pisar meu pé no acelerador.

Eu sou bem pé de chumbo no volante, mas o engraçado na Ferrari, talvez por ela ser esportiva e baixa, é que parece que você já está a mil por hora, olha no painel e… 150Kmh. Como 150kmh? Quero mais.

Guiada pelo Ricardo, que me dizia para reduzir as marchas e “segurar” os mortais lá atrás, pisei fundo no acelerador e senti meu coração disparar. A um certo ponto, senti que estava suando. Uma mistura de adrenalina e “medo”.

Nem precisa dizer que a gente passava e os carros em volta olhavam. Porque o ronco, é inconfundível.

O meu trajeto foi de 10km e voltei com o sorrisão no rosto, como mostra a foto. Aquilo é melhor que montanha russa (brinquedo que eu me recuso a subir).

Dirigir Ferrari em Milao

É possível também fazer trajetos de 20 e 30 km e com uma taxa adicional, eles ainda te mandam um vídeo da tua experiência durante o test drive.

Aliás, a melhor forma de entender tudo o que eu escrevi, é assistindo o vídeo abaixo:

Para assistir a versão longa do vídeo, clique nesse link.

Gostou e gostaria de uma experiência como essa? Mande um email para info@milaonasmaos.it e te colocamos um contato com eles, que oferecem um atendimento atencioso, simpático e em português.

Nota: Meu test drive foi um convite, mas as experiências relatadas são pessoais. O test drive de Ferrari é uma parceira do Milão nas mãos e ao contratá-los o blog recebe uma comissão pela indicação, sem que você pague nada a mais por isso. Leia aqui para saber mais da nossa politica de monetização.