Posts

A questão da segurança na Itália

Eu já escrevi aqui no blog um post sobre segurança em Milão, que falava do fenômeno das batedoras de carteiras no metrô, que furtam principalmente os turistas, facilmente identificáveis.

Segurança na Italia

Os blogs, principalmente os que falam de uma única cidade ou país, tem a responsabilidade de informar o leitor e futuro turista sobre muitos aspectos da cidade, inclusive a segurança e em como se comportar e o que evitar, até relatando as próprias experiências.

Essa responsabilidade existe porque somos uma espécie de filtro entre o leitor-turista e aquele destino. Isso deve ser feito da maneira mais objetiva e imparcial possível, sem criar alarmismos e generalizar experiências individuais.

Ninguém tem que esconder ou mascarar nada, mas temos que saber muito bem como passar essas informações. A responsabilidade aumenta quando além de blogueiros, somos profissionais do turismo e oferecemos serviços diretamente aos turistas, como passeios guiados ou roteiros personalizados.

As grandes cidades do mundo, em todos os continentes, vivem com o problema da segurança dos seus próprios cidadãos e dos turistas que as visitam. Sim, o nível dessa segurança é maior ou menor dependendo da cidade.

Sobre esse assunto, aqui na Europa, já foram escritos vários posts em blogs conhecidos: segurança em Berlim, Paris, Londres, Amsterdam e outras cidades. Ou seja, acontece em todos os lugares e nenhum país, por melhor que seja, está livre desses fenômenos.

Eu moro em Milão há 13 anos, trabalho e me locomovo pela cidade (inclusive a noite) a pé, usando o transporte público com muita tranquilidade: uso meus dispositivos eletrônicos sem problemas no metrô e ônibus, dirijo e paro nos semáforos com as janelas abertas e a bolsa no banco ao lado e etc. Nunca tive problemas.  Assim como nunca aconteceu nada comigo nos 28 anos que morei, estudei e trabalhei em São Paulo.

Sempre digo, inclusive aos meus clientes, que o grande perigo aqui, são os batedores de carteira no metrô ou nos pontos de grande concentração de turistas como a estação Centrale. A violência, o assalto a mão armada, a abordagem agressiva não existe de forma propagada.

cuidados na Italia

Se a situação é essa na segunda maior cidade da Itália, não é diferente pelo resto da Itália. Estive em Nápoles no final do ano passado, em um período que a cidade estava lotada e não tive problemas. Fiquei atenta? Claro que sim, como também fiquei nas últimas viagens que fiz a Paris, Berlim, Barcelona, Bolonha, Florença.

Ainda assim, o nível de segurança nas cidades européias é mais elevado do que nas cidades brasileiras, por exemplo.

Você, brasileiro, diria a um turista estrangeiro: não visite São Paulo ou Rio? Eu não diria, e sim o aconselharia (aconselhar, não alarmar) a ter algumas atenções.

A Itália é um dos países mais lindos do mundo, com um patrimônio artístico, cultura e gastrônomico como poucos aqui na Europa. Ela faz parte do imaginário de milhares e milhares de pessoas por seu estilo de vida, conhecido no mundo todo. É perfeita? Não, está longe disso, mas ainda é um país seguro.

segurança Milao Italia

Dito isso, tome seus cuidados (atenção nas estações cheias de metrô, nos momunentos, não aceite ajuda de nenhum tipo de estranhos) e não deixe se contagiar por alarmismos unilaterais. Só assim você poderá aproveitar sua viagem ao máximo, na Itália, Espanha, França, Inglaterra, Holanda e porque não, até na Alemanha.

Este post faz parte de uma blogagem coletiva sobre a segurança na Itália. Para ler os posts dos blogs participantes, clique nos links abaixo:

Keviagem

Itália para brasileiros

Passeios na Toscana

O Guia de Milão

Onde está a Andrea

Descobrindo a Sicília

Preços em Milão: quanto custa?

Milão tem fama de cidade cara, mas sinceramente, eu acho que já foi mais. Não sei se é a minha percepção dos preços que mudou ou se comparando com outras cidades europeias, não a acho tão cara assim.

Sabendo o que escolher para ver, visitar e comer, pode -se conhecer a cidade sem ir a falência.

Mas ultimamente tenho recebido e-mails e comentários de leitores que veem para Milão para passar uma temporada maior, como estudantes que fazem cursos que duram alguns meses e querem saber o custo de vida da cidade. Difícil dizer quanto se gasta por dia (pergunta frequente), já que tudo depende de onde e o que você come, se vai andar a pé, de transporte público ou de bicicleta, se vai fazer compras no supermercado.

O que segue abaixo é uma pequena lista, dos custos mais frequentes que um turista ou morador temporário (sem incluir despesas com moradia) pode ter em Milão.   Os preços dos produtos indicados são médios: não é o mais barato do supermercado nem o mais caro.

Transportes

Bilhete unitário ATM com integração metrô-ônibus ou bondinho em 90min: 1,50 €

Bilhete ATM diário (viagens ilimitadas em 24hs): 4,50 €

Bilhete ATM semanal: 11,30€  (necessário ativar cartão com validade de 4 anos que custa 10 euros)

Bilhete ATM mensal: 35 € (necessário ativar cartão com validade de 4 anos e que custa 10 euros)

Para outros tipos de bilhetes, consulte o site ATM

Taxi Estação Centrale – Centro: 12-15 €

Taxi Aeroporto Linate – Centro: 45 €

Taxi Aeroporto Malpensa – Milão: 100 €

1 bilhete trem para o Lago de Como: 5,10 €

Hospedagem (diária)

Uma cama albergue da juventude: de 30 a 50 € (quarto fem/masc com banheiro)

Um quarto duplo no Ibis Centro: de 80 a 150 € (dependendo da época do ano)

Um quarto duplo em hotel 4 estrelas no centro: entre 270 a 350 €

Leia aqui o post com as dicas dos hotéis em Milão por bairros

Alimentação

1 café (no centro, em pé no balcão): de 1 a 1,20 €

1 cappuccino (no centro, em pé no balcão):  de 1,30 a 1,50 €

capuccinomilao

1 Briochè (croissant doce): de 1,20 a 1,50 €

1 sanduíche: de 4,00 a 10,00 €

1 garrafinha água (nos bares-quiosques): 1,50 €

1 garaffinha de água (nas fontes espalhadas pela cidade): grátis

1 panzerotto (Luini): 2,70 €

1 sorvete (2 sabores): 3,00 €

1 latinha de refrigerante (nos bares): de 3,00 a 3,50 €

1 refeição (restaurante):  de 10-12 € (menu fixo almoço) a 150 € (restaurantes estrelados)

1 aperitivo: de 8 a 15 € (incluindo buffet ou petiscos)

Supermercado

1 Kg de macarrão: 2 €

1 kg de biscoito: 3,50 €

1 lt de leite: 0,80 €

1 kg de carne: de 12 a 30 €

1 pacote pão de forma: 1,20 €

Cultura e lazer

Entrada igrejas: grátis

Ingresso Última Ceia: 8 €

Ingresso Museu 900: 5 €

Ingresso Museus do Castelo (bilhete único): 5 €

Ingresso Gallerie d’Italia: 10 €

Museus Milão

Ingresso Pinacoteca de Brera: 8 €

Ingresso Mostras temporárias Palazzo Reale: 10 €

Parques: grátis

Ingresso Cinema: 8 €

Ingresso shows e concertos: de 50 a 150 €
Se você quer economizar na cidade, leia também:

Milão grátis ou quase

Milão: 48 horas com menos de 48 euros 

 

Meus ‘nãos’ em Milão

Quem acompanha o blog ou até quem só leu 2 ou 3 posts, já percebeu o quanto eu goste de Milão. Mas isso não quer dizer que eu não veja os seus pontos negativos e não tenha a minha lista de nãos e implicancias com a cidade.

Pensei muito antes de escrever esse posts, porque como Milão também é o meu produto, já que trabalho como acompanhante turística aqui, fazendo passeios a pé pela cidade, achei que pudesse ser como um tiro no pé eu mesma apontar o lado negativo da cidade.

Mas a minha proposta sempre foi passar aqui a minha visão da cidade e acho que esse lado crítico e objetivo não pode faltar. Milão, aos olhos dos brasileiros, é uma cidade pequena (1.300.000 habitantes) mas nem por isso deixa de ter seus problemas mais ou menos importantes e que afetem mais ou menos turistas e locais.

Aqui, deixo só alguns deles, os que podem afetar mais os turistas direta ou indiretamente. Vamos lá!

Pichação

Milão é uma cidade pichada e isso chama a atenção dos turistas brasileiros, que talvez esperem encontrar aqui uma Europa idealizada. Eu, sinceramente, não a acho mais pichada do que a minha cidade no Brasil (eu sou de SP e vou falar só dela) mas mesmo assim, isso me incomoda.

Aqui é um problema bem frequente, nos muros e nos trens, já que existem grupos de pichadores europeus que vem para cá (e talvez também para outras cidades européias) e se desafiam em pichar isso ou aquilo.

pichacao

Ano passado, um trem novo da metrô que não tinha nem entrado em circulação foi pichado dentro da garagem, na madrugada. Os funcionários da empresa de transporte alegam que são em poucos para a vigilância e que existe o problema da segurança: eles tem medo de enfrentar os pichadores, que muitas vezes estão armados.

Esse ano foi a vez do recém inaugurado mercado municipal da Zona Darsena, que faz parte do projeto de reurbanização da cidade para Expo2015. Uma semana depois da inauguração, já estava pichado.

Digamos que a prefeitura não dá o melhor de si na prevenção, combate e vigilância e a maioria dos estabelecimentos e casas pichadas, cansados de arcarem com as despesas das limpezas, preferem deixar as suas fachadas pichadas do que sofrer outros ataques.

Falta de informações turísticas

Essa era uma sensação que eu já tinha antes mesmo de trabalhar com turismo. Milão cresceu muito turisticamente desde que as cias. áereas low cost começaram a trazer milhares de europeus para cá e melhorou em alguns aspectos, mas tem ainda que dar passos de gigantes, como dizemos aqui, para ser uma cidade voltada para o turista.

pannello_segnaletica_turistica-2

Na maioria das cidades italianas os monumentos turísticos são sinalizados com placas marrons, que indicam a direção do tal momumento. Procure uma dessas placas em Milão.

Por exemplo: geralmente se estou na Praça Duomo e tenho que ir a Última Ceia de Leonardo da Vinci na igreja de Santa Maria delle Grazie, eu vou a pé. Mas eu sei que isso é possível, que é fácil e nem tão longe.

O turista que não conhece a cidade e não tem um mapa nas mãos, não sabe o que fazer, porque não existe uma sinalização que te indique que caminho fazer para chegar da Praça Duomo a Última Ceia.

E esse é só um exemplo. Eu poderia elencar pelos menos uns vinte.

Se alguma coisa vai mudar em vista da Expo? Sinceramente acho que não, porque não vejo nada de novo sendo instalado. Mas se tratatando da Itália, eu não me surpreenderia se alguma coisa fosse feita 1 semana antes do ínicio do evento.

Ah, uma coisa foi melhorada: o ponto de informação turística agora fica dentro da Galeria Vittorio Emanuele.

Batedores de carteira no metrô

Digamos que essa deve ser a única grande preocupação do turista em termos de roubo. Milão não é uma cidade perigosa, e aqui podemos tranquilamente andar pelas ruas do centro depois das 22h sem olhar para trás.

O verdadeiro problema está nas gangs de adoslecentes que agem nas plataformas de algumas estações. Já falei desse problema nesse post.

bos5_672-458_resize

Atenção também aos ciganos que ficam ao lado das máquinas automáticas de vendas de bilhetes, oferecendo ajuda para comprar tickets do metrô.

Não entendo porque, mesmo eles estando dentro das estações, a empresa de transporte e polícia não “podem” fazer nada.

Vendedores de pulseirinhas

Outra praga da cidade são os “presenteadores” das míseras pulseirinhas que se espalham pela Praça Duomo e imediações do Castelo e insistem em dar uma de presente, já colocando-a no seu pulso.

De presente aquilo não tem nada e logo depois eles começam a insistência de receber alguns trocados pelo presente.

Diga grazie, olhe firme para frente e fuja dessa roubada.

A ‘simpatia’ dos milaneses

Ainda não descobri se as coisas melhoraram um pouco (no comércio, principalmente) ou se sou eu que, depois de 13 anos aqui, criei uma auto-defesa ou me tornei um poquinho como eles. Fato está que o milanês ou quem está nessa cidade há muito tempo e aqui vive e trabalha, não primam pela simpatia.

Muitos são (ainda bem!!) educados, mas o quanto basta e nada de sorrisos. Comportamento que você encontra nas lojas, restaurantes, museus e outros vários lugares (que por exemplo, eu frequento como local).

Nesse quesito a cidade também tem que dar passos gigantescos.

Cursos de italiano em Milão

Quem pensa em fazer um curso de italiano na Itália, quase com certeza não escolhe Milão como primeira meta, já que pelo país existem um várias cidades que oferecem vários tipos de cursos.

Mas tenho recebido comentários no blog e até emails de leitores em mudança para Milão para frequentar os famosos cursos de moda ou fazer faculdade, que me pedem dicas de escolas com cursos de italiano para estrangeiros em Milão.

curso italiano em Milão

Aviso que nunca frequentei um curso na cidade e não conheço por experiência pessoal as escolas. Em 2000, quando vim para cá pela primeira vez (e a única em que fiz um curso) frequentei um curso intermediário 1 na Universidade para Estrangeiros de Bergamo. O resto do meu italiano foi aprendido “em campo” entre ambiente de trabalho, família e amigos.

Mas Milão oferece uma variedade grande de cursos e escolas de italiano, com durações diferentes (mensal, anual) e principalmente custos.

A prefeitura propõe vários cursos grátis para estrangeiros (regularizados) em vários bairros e essa pode ser uma alternativa para o começo ou para quem não dispõe de um grande orçamento. Mas saiba que o nível dos estudantes nesse tipo de curso é bem baixo e as aulas não costumam “avançar” muito.

Eu aconselho a começar a pesquisa, pelo ótimo portal Milano.Italianostranieri, lançado esse ano pela Prefeitura de Milão e o Ministério das políticas Sociais e que reúne 111 escolas na cidade, públicas, particulares e paroquiais com informações de preços, tipo de cursos oferecidos, duração e etc.

curso de italiano em Milão

A pesquisa pode ser feita usando vários tipos de filtros, como vizinhança, horário, nome, níveis e tipos de certificados em inglês, espanhol, francês, chinês e árabe.

Para quem prefere fazer uma pesquisa independente pelo Google, a melhor coisa é ir ao google.it e pesquisar por: corsi italiano per stranieri a Milano.

Além de um bom curso, por experiência, aconselho as pessoas a ficarem com os ouvidos bem abertos e aprender expressões e palavras novas, seja nas conversas com italianos e até com a televisão.

O italiano é uma língua neo latina como o português e eu, sinceramente, não acho que seja difícil para nós aprende-lo bem, coisa que vai fazer toda a diferença na sua vida e integração aqui.

Você conhece um curso de italiano em Milão que valha a pena? Deixe sua dica nos comentários.

 

Tax free na Itália: saiba como utilizar

Quem vem fazer turismo na Itália e faz compras, paga, assim como nós que moramos aqui, o imposto sobre o produto (IVA). Mas se o turista reside fora da Comunidade Européia, como os brasileiros, tem o direito de receber de volta uma parte desse imposto (que aqui é de 21%) antes de deixar o país. Porque uma parte? Porque a diferença fica como comissão para a empresa que administra o serviço (a mais famosa aqui é a Global Blue, mas existem outras administradoras como a Italian Tax Refund e Vat Refund Service).

Tax Free e Milao

O procedimento é  fácil e vale realmente a pena, já que sob uma compra de 500 euros, você recebe 62 euros de volta.

 Algumas dicas do que você tem que fazer para ter o seu reembolso:

– Comprar nas lojas que são associadas ao programa Tax Free (geralmente elas expõe adesivos nas vitrine ou no caixa);

– Gastar no mínimo 154,94 euros em um único dia e em uma única loja (não vale juntar recibos de compras de lojas diferentes) em produtos como: roupas, sapatos, jóias, eletrônicos e eletrodomésticos;

– Você tem que ser residente em um país fora da Comunidade Européia, apresentar seu passaporte na hora do pagamento e fornecer seus dados ao comerciante para preencher o formulário;

– Não usar a mercadoria comprada durante a sua estadia e conservá-la com as etiquetas;

Tax Refund Compras em Milao

– A partir do momento que você atingiu o valor de 154,94 euros em uma loja, você pode pedir o formulário para o reembolso em quantas lojas quiser naquele dia. Lojas como a de departamentos Rinascente, por exemplo,  contam como uma única loja e se você comprar alí 50 euros na Lancôme, 100 na Fendi e 120 na Emporio Armani pode juntar todos os recibos e se dirigir ao 6º andar onde tem um escritório que preenche o formulário.

– Ao deixar a Itália para voltar para casa, o ideal é juntar todos os produtos comprados em uma mala porque antes de se dirigir ao check-in, no aeroporto, você terá que se apresentar ao guichê da Alfândega e apresentar:  as mercadorias novas, recibos, o passaporte e os formulários, que eles irão carimbar.

– Depois de receber o carimbo, dirija-se ao check-in e despache as suas malas normalmente. Quando passar a imigração e antes de embarcar, procure o guichê da empresa de reembolso e receba em dinheiro ou com um  crédito no seu cartão a quantia equivalente.

– Atenção: o reembolso não é feito no guichê da Alfândega, eles só controlam as mercadorias e carimbam os formulários.  Não são feitos reembolsos de mercadoris só com o recibo da compra. O formulário preenchido e carimbado é obrigatório.

– O conselho é ir para o aeroporto com pelo menos 1 hora a mais de antecedência, principalmente em época de temporada para fazer tudo com calma.

Esse é o procedimento para o reembolso aqui na Itália. Outros países europeus também tem o sistema de Tax Free (com IVA e limite de compras diferentes), mas já li alguns relatos que contavam de procedimentos diferentes no aeroporto.

O reembolso é feito no último país europeu por onde você passar, portanto, se não for a Itália, informe-se como a coisa funciona no país onde você vai terminar a sua viagem.

Veja abaixo o vídeo *em inglês) da Global Refund que explica o procedimento: