Posts

Milão nas mãos e Simplesmente Elegante

Milão e moda. Impossível pensar em um sem pensar no outro. E é por isso que a parceria entre o Milão nas mãos e o blog de moda da jornalista Márcia Luz, o Simplesmente Elegante, nasceu naturalmente. Porque Milão e moda são uma única coisa.

Uma colaboração mensal através de artigos que falarão de moda, lojas, comportamento e estilo de vida de umas das cidades mais chiques do planeta.

Convido todos vocês a conferirem o Simplesmente Elegante e seguirem de perto essa nova aventura do Milão nas mãos.

“I paninari”, Milão e a moda dos anos 80

A década de 70 com seus eventos políticos e terroristas tinham ficado para trás, o teor de vida começava discretamente aumentar e a moda e suas grifes começavam a se propagar. Os jovens dos anos 80 queriam só curtir a vida sem se preocupar. É nesse cenário que nasce em Milão o movimento sub-cultural juvenil Paninaro.

Tudo começa mais ou menos em 1985 e a juventude milanesa burguesa, entre 14 e 18 anos que frequenta uma lanchonete do centro de Milão chamada Al Panino, se auto-nomeia I Paninari (literalmente Os Sanduícheiros, já que panino está para sanduíche).

O clássico paninaro dos anos 80

O look clássico do paninaro era casaco azul da marca Moncler por cima de um moleton Naj Oleari, jeans rigorosamente Armani com cinto (socorro!!) tipo texano da marca El Charro, meias estilo escocês, sapatos Timberland e óculos Ray-Ban, mas outras bizarras combinações também eram permitidas, desde que tudo fosse absolutamente de marca.

Pensando hoje dá vontade de sair correndo de alguém vestido assim, mas eram os anos 80 e, como não poderia ser diferente em uma cidade como Milão, o que contava era a aparência, a moda e a música. 100% superficialidade, tudo era permitido. Só quem foi adoslecente (como eu) nos anos 80 pode entender tamanha aberração de look.

Os “paninari” tinham um linguajar próprio, feito de gírias e palavras abreviadas e como diz o próprio nome, se nutriam de toneladas de hamburgers nos fast-foods italianos pré Mc Donalds. Estacionavam os seus scooters nas ruas do centro e passeavam para cima e para baixo entre Praça Duomo e Praça San Babila percorrendo Via Vittorio Emanuele e frequentando lojas como a histórica Fiorucci, embalados pelas músicas de Duran Duran, Falco e Spandau Ballet.

Os paninaros e a revista do movimento

E foi próprio a música a difundir o movimento na Itália e até em parte da Europa. Em 1986 os Pet Shop Boys estavam na cidade para gravar alguns programas de Tv e se impressionaram com a moda que enlouquecia os jovens daqui. Câmeras nas mãos, registraram imagens de jovens milaneses e vitrines de lojas e assim nasceu o vídeo (e música) Paninaro. É o auge do movimento, que virou também uma revista.

Como toda tendência que se respeite, a moda paninara teve vida relativamente curta e se concluiu com o fim dos anos 80 e quem foi paninaro, hoje já está bem crescidinho.

Nós brasileiros, adoslecentes nos anos 80 (com look e cortes de cabelo não menos bizarros), não conhecíamos o movimento, mas quem não se lembra da música?  Uma observação: o vídeo (qualidade) é tão tosco quanto os looks e moda da época.

 

Liquidações em Milão

Estávamos todos um pouco mais contentes depois de escutar a notícia (não confirmada) de que nesse inverno, as liquidações em Milão começariam antes do Natal para ajudar nas vendas nesse terrível tempo de crise.

A alegria durou pouco. Está mais do que confirmado e divulgado que, como todos os anos, as liquidações milanesas vão começar depois do ano novo, no sábado 5 de janeiro e devem durar 2 meses.

Se você está por aqui, não existe época melhor para comprar pequenos sonhos de consumo com descontos que muitas vezes podem chegar a 50%. A dica é, se possível, aproveitar os primeiros dias: mais passam as semanas e os descontos são maiores, mas a variedade é menor e fica difícil achar tamanhos como P e M.

liquidacoesinvernomilao

Fila na frente da Gucci

 

 

 

 

 

 

 

 

Se a sua meta são lojas das grifes mais badaladas, prepare além da carteira a paciência para ficar do lado de fora (no frio) em uma fila mais ou menos organizada, esperando para entrar.

Boas compras!!

Só sapatilhas

sapatilhas

A loja Only Ballerinas

Louca por sapatilhas? Milão agora tem uma loja dedicada só a esse tipo de sapato feminino: a Only Ballerinas.

Aberta há 2 meses e situada perto do Castelo Sforzesco, a loja é pequena e graciosa, forrada de caixas de sapato (ops! sapatilhas) rosa e decorada com livros espalhados entre um par e outro.

Os modelos são dos mais variados e vão dos clássicos aos com tachinhas, de oncinha, em couro, com laço, em camurça, forradas com pelo e são disponíveis também nas versões infantis. Os preços variam de 75 à 240 euros e a loja trabalha com 3 marcas: Cocorose London, famosa pelas sapatilhas macias e dobráveis vendidas em uma pochet, Pretty Ballerinas e a marca que leva o nome da loja, produzida na Toscana.

As sapatilhas da marca inglesa Cocorose London

Se você é louca por sapatilhas é impossível sair de lá sem uma.

Only Ballerinas
Via Ponte Vetero, 9
 
 

10 Corso Como

Esse é o endereço, esse é o nome da loja. Mas não a chame loja, 10 Corso Como é um concept store e se você está em Milão e quer grifes e design de luxo, nem que seja só para olhar, tem que passar por aqui.

Inaugurada em 1991 por Carla Sozzani (irmã da editora da Vogue italiana e figura carimbada da moda milanesa), é umas das mais (se não a mais) conhecida concept store da Itália: moda, design, uma livraria, uma galeria de arte, um café-restaurante e até um pequeno e exclusivíssimo hotel (3 Romms). Tudo reunido em um espaço aconchegante e muito bem cuidado.

Os preços são para orçamentos sem limites. No departamento feminimo, masculino e acessórios você encontrará marcas como: Balenciaga, Burberry Prorsum, Comme des Garçons, Diesel, Lanvin, Lavenham, Mackintosh, Martin Margiela, Moncler, Moncler Gamme Bleu, Paul Smith, Prada, Alexander McQueen, Balmain, Céline, Junya Watanabe, Lanvin, Marni, Mary Katrantzou, Miu Miu, Moncler, Prada, Christian Louboutin, Converse, Globe-Trotter, Manolo Blahnik, Marc Jacobs, entre outros.

Mas se a intenção não é acabar com sua conta bancária, entre, dê uma volta, olhe, pegue, prove e se no final decidir não levar nada, sente-se para tomar um café, um chá, uma taça de vinho ou até almoçar ou jantar antes ou depois de passar no espaço da galeria (2 andar) para conferir a mostra da vez (grátis).

Comece visitando o site, que já dá uma idéia do estilo refinado da loja e do espírito 10 Corso Como.

10 CORSO COMO
Corso Como, 10
Segunda à segunda das 11.00 às 19.30 (loja)
A galeria e a livraria fecham às segundas pela manhã
e abrem a partir das 15.30. Nos outros dias das 11.00 às 19.30
O bar- restaurante às segunda abre das 18.00 às 01.00
nos outros dias das 11.00 às 01.00