Posts

Milão, cultura e criatividade

Milão borbulha. Vai ver é o efeito Expo2015 ou senão só a sua vocação de cidade de criativos e que fomenta o que de novo vai acontecer no resto do país. Não é a toa que foi escolhida pelo jornal americano New York Times como um dos destinos de viagem para 2015 e é mais uma vez candidata a destino europeu 2015.

E apesar dos pesares: crise econômica, política e por aí vai, a cidade se prepara para receber nos próximos meses três grandes realizações em âmbito cultural -criativo,  duas delas na pouco conhecida (pelos turistas) Zona Tortona, que para mim vai ser um dos próximos bairros ” boom” da cidade.

Museo delle Culture

Projeto que da sua aprovação à conclusão levou 15 anos, será o espaço dedicado a hospedar a coleção de arte extra europeia que hoje fica exposta no Castelo Sforzesco.

O enorme espaço fica na ex área Ansaldo, importante polo industrial milanês que até os anos 70 abrigava as grandes fábricas de locomotivas e vagões ferroviários. Projetado pelo famoso arquiteto inglês David Chipperfield (museu Neues em Berlim) o espaço também será dedicado a mostras temporárias, laboratórios didáticos e vai contar com uma biblioteca, café e book shop.

museus milão cultura arte

Agora é só esperar para curtir o novo museu e uma das áreas (Tortona) mais estimulantes da cidade.

Armani Silos

Não muito longe do Museo delle Culture, em um grande espaço minimalista projetado pelo japonês Tadao Ando onde anos atrás ficava uma fábrica da Nestlè, rei Giorgio (Armani) vai abrir para o público Silos, grande espaço dedicado ao museu arquivo da famosa marca, mas também contentor de ideias que vai hospedar mostras temporárias em colaboração com a prefeitura e um arquivo fotográfico.

Moda Arte Milão

Armani Silos (o nome vem de silo, que dá a ideia de armazenamento) hoje já é palco de todos os desfiles da marca.

Fundação Prada

Em uma outra parte da cidade (Porta Romana), a Fundação Prada inaugura dia 9 de Maio, um espaço de 19 mil metros quadrados que será a sede da ‘Cittadella dell’Arte’, espaço expositivo que vai concentrar moda, arte, cinema e didática infantil.

A enorme construção mistura edifícios novos com a estrutura de uma antiga destilaria do início do século 20 e (se diz) terá um bar idealizado pelo diretor Wes Anderson. Leia o post sobre a Fundação Prada aqui.

Milao Arte Moda

E quem passar por Milão, verá!!

 

Visitando o Museu Ferrari em Maranello

Nunca fui ligada em carros e com isso, mesmo em todos esses anos aqui, nunca nem me passou pela cabeça visitar o Museu Ferrari em Maranello, na região da Emilia Romagna. Até que há alguns meses surgiu um pedido de uma cliente para fazer esse passeio e lá fomos nós.

A Ferrari (La Rossa, como é chamada aqui) é com certeza um dos ícones italianos mais famosos e desejados no mundo. Fundada em 1929 por Enzo Ferrari, por décadas produziu componentes para a Alfa Romeo e para aviões e só em 1947 a construção de carros se tornou a atividade principal da fábrica. Hoje, a marca produz carros esportivos de alto nível e carros de corrida, que era a grande paixão de Enzo Ferrari.

visitar museu ferrari maranello

Chegamos ao museu no final da manhã, depois de cerca de 3 horas de viagem de carro. Era um dia de semana de setembro, não tinha filas ou grandes grupos de turistas. Nós, por falta de tempo, optamos pela visita só do museu, mas é possível também fazer a visita da pista (de dentro de um ônibus, sem possibilidade de descer) e do Museu Enzo Ferrari, mas que fica em Modena.

A primeira sala do museu é dedicada a mostras temporárias, mas o resto do percurso, que não é grande, fica por conta dos maravilhosos carros que fizeram a história da marca do cavalinho.

ferrari_museu_italia

Eu fiquei encantada com os modelos antigos, anos 60 e 70 e escolhia um como meu preferido, até encontrar outro ainda mais bonito.

Antes de passar para a grande sala que expõe os famosos carros da Fórmula 1 e todos os troféus conquistados ao longo dos anos, uma pequena sala de cinema exibe um trailer com cenas de filmes e seriados famosos onde a Ferrari era também a protagonista. Quem não se lembra de Magnum, Al Pacino em Perfume de Mulher, Miami Vice e o maravilhoso Curtindo a Vida Adoidado?

Do lado de fora do cinema, fica também a reprodução do escritório de Enzo Ferrari.

Para os apaixonados pela F1, é a última sala a mais esperada. Modelos antigos e novos se misturam com telões onde trechos de vídeo mostram entrevistas e depoimentos dos grandes corredores da construtora.

como_ir_museu_ferrari

trofeus_ferrari

A última parte é dedicada ao espaço para quem quer se divertir e tentar o simulador (pagamento a parte), ao bar ou as inevitáveis compras na lojinha.

A visita o museu pode ser feita tranquilamente em cerca de 1 hora e vale a pena para os (muito) apaixonados pela marca. Como museu de carro, achei o Museu do Automóvel de Turim bem mais interessante (leia post aqui).

A cidade de Maranello respira Ferrari, então você vai encontrar lojas com inúmeros produtos e propostas para dirigir “una rossa” por toda parte.

Quando saímos do museu, era hora do almoço e eu não poderia deixar de procurar um lugar para comer o delicioso gnocco fritto, um prato típico da região emiliana que parece um pastel (vazio) que se come com frios e queijos moles. Foi a recepcionista do museu que me indicou o bar Drake, bem na rotátoria do centro. Se você for para aqueles lados, não deixe de provar.

gnoccofritto

E foi a melhor maneira de terminar essa aventura automobilistica, antes de voltar para Milão.

COMO CHEGAR:

Maranello fica a 190 km de Milão – 20 km de Modena – 50 km de Bologna.

Para quem vai de carro, existem boas indicações para chegar ao museu.

De trem, de Milão, é possível ir até Modena com o Frecciabianca (cerca de 1h40). Da estação, existe um serviço (pagamento) de vans do museu que levam até o Museu Enzo Ferrari em Modena e depois ao Museu Ferrari em Maranello.

Se você tem tempo, pode fazer os dois. O ideal é reservar o serviço no site do museu.

MUSEU FERRARI- MARANELLO

Via  A. Dino Ferrari 43 Maranello
 
De 1 de novembro a 31 de março: todos os dias das 9.3o às 18h
De 1 de abril a 31 de outubro: todos os dias das 9.30 às 19h
Fechamento: 25 dezembro e 1 janeiro
Ingressos: adulto inteiro 15 euros – menores de 6 a 18 anos (acompanhados dos pais) 10 euros – acima de 65 anos 13 euros
Ingressos combinados museus + serviço van (reserva obrigatória): consultar site clique aqui

Programação de Janeiro a Março 2015

A programação cultural de Milão continua nesses primeiros meses de inverno e aquece a temporada do ano que vem, em vista da Expo2015, sobre a qual falamos nesse post e também nesse que vai abrir em abril com a grande mostra de Leonardo da Vinci no Palazzo Reale.

Fotografia, escultura, pintura, continuam a encher os museus milaneses, dando a opção a locais e turistas de aquecer o corpo e a alma nesses próximos meses frios. Só no quesito concertos é que a proposta é limitada. Mas sabemos que sé só questão de tempo, porque é a primavera-verão a temporada dos grandes shows aqui na Europa.

Por enquanto, deixo aqui a programação com as dicas do que fazer em Milão nos meses de janeiro, fevereiro e março 2015.

Para informações sobre horários e preços, clique nos links dos sites.

Lembrando que todos 1 domingo do mês os museus estatais (Pinacoteca de Brera) e municipais (Museus do Castelo, Museu 900, GAM, Museu Arqueológico, Museu de História Natural) são gratuitos. Esses últimos também podem ser visitados com um cartão com preço mais conveniente. Leia aqui o post.

Divirta-se

 Mostras e exposições

Marc Chagall –até 18 de janeiro 2015 – Palazzo Reale

A maior retrospectiva dedicada ao pintos russo na Itália, traz mais de 200 obras, na maior parte, pinturas.

o que fazer em Milão

Amos Gitai –até 1 de fevereiro 2015 – Palazzo Reale

Uma mostra na Sala das cariatides reúne vídeos e instalações do cineasta israelense.

Alberto Giacometti –até 1 de fevereiro 2015 – GAM

A esse grande escultor e pintor suiço do século 20, a Galeria de Arte Moderna de Milão dedica uma mostra monografica que expõe 60 obras provenientes da Fundação Alberto e Annette Giacometti de Paris, percorrendo sua trajetória do início aos tempos mais maduros.

Le Dame del Pollaiolo – até 16 de fevereiro – Museu Poldi Pezzoli

Para quem gosta de retratos renascentista ou quer visitar uma das mais belas casas museus da cidade, o Poldi Pezzoli expõe além da sua obra dama, outras três pintadas pelos irmãos Pollaiolo, dois grandes pintores do século 15.

museo-poldi-pezzoli-le-dame-dei-pollaiolo

Pela primeira vez, os quatro quadros expostos juntos. A dama milanesa se reúne a suas amigas vindas de Berlim, Florença e Nova Iorque.

Collezione Pirelli – Forma e Desiderio – The Cal – até 21 de fevereiro – Palazzo Reale

As fotos do calendário mais famoso do mundo em mostra em Milão. São 200 fotos do início da aventura Pirelli até os dias de hoje.

Calendario_pirelli_mostra_fotografia_milano_-800x500_c

Van Gogh– até 8 de março 2015 – Palazzo Reale

Depois de 60 anos uma mostra do famoso pintor holandês volta a cidade com obras que retratam a relação do homem com a natureza, provenientes do importante Kroller-Müller Museum di Otterlo, na Holanda.  Para informações clique aqui

Klein Fontana – Milão Paris 1957-1962 – até 15 de março – Museu Novecentos

A exposição apresenta o percurso paralelo de 1957 até 1962 entre Milão e Paris de Yves Klien e Lucio Fontana, ligados por uma forte amizade e admiração.

A mostra expões cerca de 90 obras dos dois artistas, além de uma documentação de filmes, cartas e fotos.  Para informações clique aqui.

Bramante a Milano – até 22 de março – Pinacoteca de Brera

No 5 centenário da sua morte, Milão celebra o grande pintor e arquiteto, contemporâneo de Da Vinci, com uma mostra que repercorre a sua longa estadia em Milão (1477-1499) e que por aqui deixou pinturas, afrescos, e a belíssima igreja de Santa Maria em San Satiro e o presbitério de Santa Maria delle Grazie.

Triennale

Para quem gosta de arquitetura e design esse grandíssimo museu milanês tem várias mostras contemporaneamente que valem a pena – Informações e calendário aqui

Música

The Black Keys – 17 de fevereiro 2015 – Mediolamum Forum – Vendas ingressos aqui

Sting e Paul Simon – 30 de março 2015 – Mediolamum Forum – Vendas ingressos aqui

862ab9d620a37699dd35863a7867f0e6-640x360

Para atualizações, siga o Milão nas mãos no Facebook, Twitter e Google +

Guia rápido aos museus de Milão

Milão tem uma rede de museus incrível ainda que seja pouco conhecida pelos turistas, mais interessados nos museus “famosos” , aqueles que todos já ouviram falar.

Arte clássica, religiosa, contemporânea, moderna, design, ciências, brinquedos, instrumentos musicais, arqueologia, móveis, animais, futebol…a lista é longa e confesso que, mesmo eu, que moro aqui não conheço todos e não escrevi sobre todos.

Foi pensando nisso que resolvi concentrar em um post as dicas de alguns museus de Milão, resumindo um pouquinho cada um e dando meus pitacos do que não perder em alguns deles. A ordem é puramente casual. Para as informações sobre horários de abertura e preços, clicar no link do site de cada museu.

 Pinacoteca de Brera

“O” museu de Milão. Se você tiver tempo para um museu, o seu museu é a Pinacoteca de Brera.

Pensada em época napoleônica como mero suporte aos estudantes de arte da Academia de Belas Artes que fica no mesmo palácio, ao longo dos anos se enriqueceu com aquisições e doações de milaneses abastados e tem um acervo riquíssimo, que vai da arte gótica, medieval, barroca, até chegar na arte moderna e contemporânea. Leia o post sobre a Pinacoteca de Brera aqui.

Não perca: O Cristo Morto de Mantegna – O casamento da Virgem de Raffaello – La Palla Moltefeltro de Piero della Francesca – Ceia em Emmaus de Caravaggio – O Beijo de Hayez

Site da Pinacoteca

 Pinacoteca Ambrosiana

Importante instituição milanesa, fundada no século 17 pelo cardeal Federico Borromeo, faz parte de um complexo maior, que inclui uma das mais importantes bibliotecas italianas.

A grande coleção de arte privada deixada pelo então cardeal, vai dos grandes nomes da pintura italiana, passando pela arte flamenga.

É a pinacoteca-biblioteca que hospeda parte dos Códigos da Vinci (junto com a sacristia de Santa Maria delle Grazie), expostos por tema a cada 3 meses.

Não perca: O rascunho da Escola de Atenas de Raffaello – Os Códigos Atlânticos de Leonardo Da Vinci – A Cesta de Fruta de Caravaggio – Retatro de Músico de Da Vinci – e ainda Bramantino, Luini, Botticelli entre outros.

Site da Pinacoteca e Biblioteca Ambrosiana

 Museu 900

Um dos mais ‘novos’ museus milaneses, foi inaugurado há menos de 5 anos e reune a coleção de arte contemporânea da prefeitura de Milão com ênfase nos artista italianos, mas com obras de Picasso, Modigliani, Paul Klee.

Ainda que o percurso expositivo não seja muito intuitivo, o passeio pelo Palácio Arengário já é em si, um programão. Leia o post sobre o Museu 900 aqui.

Não perca: O Quarto Estado de Pelizza da Volpedo – As obras futuristas de Boccioni, Balla e Carrà. Os quadros de De Chirico.

Site Museu Novecentos

 Museu Teatral alla Scala

È o museu do famoso teatro de lírica, que fica na homônima praça. Se você não é um apaixonado ou expert em música clássica, uma vale a entrada  para conhecer a belíssima sala, que tem a visão disponível através de um dos camarotes. Leia o post sobre o Teatro alla Scala aqui.

Site do Museu Teatro alla  Scala

Gallerie d’Italia

Grande coleção de arte privada do banco Intesa San Paolo, é dividida entre a arte moderna e contemporânea, expostas separadamente nos dois palácios que já valeriam a visita. Eu adoro. Leia o post sobre a Gallerie d’Italia aqui.

Não perca: As obras do futurista Umberto Boccioni, os gessos de Antônio Cavova, Lucio Fontana, Michelagelo Pistoletto.

Site Gallerie d’Italia

Museu do Duomo

Reinaugurado há pouco mais de 1 ano, é o museu da grande catedral milanesa e tem a tarefa de reunir e expor a história do momunento mais importante da cidade, através de seu tesouro, estátuas e vitrais originais, estudos e projetos para construção. Para quem quer entende melhor o nosso grande Duomo. Leia o post sobre o useu do Duomo aqui.

Dicas museus em Milão

Não perca: As gárgulas originais do século 15, o esqueleto da estátua da Madonnina, o modelo em madeira do Duomo.

Site do Museu do Duomo

 Galeria de Arte Moderna – GAM

Situada na belíssima Villa Reale, concentra a coleção de arte moderna da prefeitura, expondo quadros e esculturas do século 19.

Museu Arqueológico

Porque Milão foi capital do Império Romano por quase 2 séculos e tem muito o que contar e expor dessa época. Situado na área onde ficava o Circo Romano, ainda hoje conserva na parte posterior uma das torres restante da importante construção.

Arte romana, grega, etrusca e das civilizações bárbaras compõe o interessante acervo.

Site do Museu Arqueológico

 Museu da Ciência e Tecnologia Leonardo Da Vinci

Partindo as engenhosas invenções do gênio Leonardo Da Vinci, a coleção do museu explora a relação dos homens com as máquinas. Um dos museus de ciência e tecnologia mais importantes do mundo, é um dos favoritos das crianças.

Não perca: o submarino Toti.

Site do Museu de Ciência e Tecnologia

 Museu de História Natural

Museu que reune a coleção botânica, zoologica e mineral da cidade, o ponto forte é uma grande coleção de fósseis e a reconstrução dos habitats naturais dos animais, expostos em grandes vitrines. Expõe também o único esqueleto de dinossauro existente na Itália.

Site do Museu de História Natural

Museus do Castelo Sforzesco

A maior concentração de arte, propriedade da prefeitura, em um único lugar. As coleções são divididas nos vários museus: arte antiga, pinacoteca, instrumentos musicais, móveis, egipcio, artes aplicadas. Tudo pelo preço do bilhete único. Leia o post sobre o castelo e seus museus aqui.

Não perca: A Pietà Rondanini di Michelangelo, a Sala de Asse afrescada por Da Vinci, as armas e armaduras medievais.

Site do Castelo Sforzesco e museus

Triennale Design Museum

A cidade do design não poderia deixar de ter um museu dedicado ao assunto. O famoso Palazzo della Triennale, de arquitetura racionalista (anos 30), apresenta uma exposição que muda todos os anos, além da coleção permanente de design e mostras temporárias.

Site da Triennale Milano

Palazzo Reale

Antiga residência ducal e posteriormente dos governantes da cidade, hoje é a sede das mais importantes mostras temporárias da cidade, com pelo menos 2 ou 3 delas acontecendo contemporaneamente (com bilhetes separados).

Não perca: as mostras na Sala das Cariátides, destruída durante a Segunda Guerra Mundial e mantida como ficou para lembrar as destruições da guerra. Mesmo assim, é linda.

 Museu San Siro

Situado dentro do famoso estádio, expõe uniformes, chuteiras, troféus dos dois times oficiais da cidade: Internazionale di Milano e Milan. A visita inclui também um tour pelos vestiários e pelo campo. Leia o post sobre o Estádio de San Siro aqui.

Site do Museu San Siro

 As casas museus

Milão tem 4 casas museus extraordinárias, que propõe percursos, objetos e o modo de viver na cidade em épocas bem diferentes.

As mais próximas como estilo uma da outra são Bagatti Valsecchi e Museu Poldi Pezzoli, a primeira é uma das mais bem preservadas da Europa e é uma casa do século 19, mas sendo a família amante do Renascimento,  a casa era decorada com móveis, objetos e obras e arte da época. Também do século 19 a segunda,  situado no palácio onde viveu o colecionador Giacomo Poldi Pezzoli. A construção foi bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial, por isso os ambientes são em algumas partes, reconstruídos. Mesmo assim, é ainda uma das grandes coleções privadas da cidade, com obras de grandes pintores dos ´séculos 14 e 15.

Do início do século 20, é a minha menina dos olhos, a minha preferida entre as quatro. Villa Necchi Campliglio foi construída nos anos 30 pelo grande arquiteto milanês Portaluppi em estilo racionalista para o casal Necchi Campiglio. A casa é uma jóia da arquitetura moderna da época e foi habitada até 2004. Ainda é possível admirar as roupas e acessórios das irmãs Necchi nos ármarios.

estatua-varanda-necchi

O ex apartamento do casal Boschi Di Stefano é a única casa museu com entrada gratuita de Milão. Grandes colecionadores de arte contemporânea, deixaram tudo a prefeitura da cidade para que essa criasse uma casa museu.

As salas do apartamento no prédio também projetado por Portaluppi são cobertos de quadros de Lucio Fontana, Segantini, De Chirico Leia o post sobre as casas museus de Milão aqui.

Site das Casas Museus de Milão

Dica: a melhor solução para visitar as casas museus, é comprar o bilhete acumulativo de 20 euros, que tem duração de 6 meses. Custa menos do que pagar o bilhete separadamente nas 3 primeiras.

Ao museus municipais tem uma carta que dá direito a uma entrada em cada por um preço mais conveniente que pagar cada um separadamente. Leia sobre isso nesse post.

Um novo espaço para a Pietà Rondanini

Quem atravessa a torre do Castelo Sforzesco e entra na Praça das Armas se maravilha com a arquitetura, com as torres, mas provavelmente poucos notam uma construção retangular que fica à esquerda da praça.

Construído pelos espanhóis na segunda metade do século 16, era a enfermaria destinada aos soldados do castelo e a partir do ano que vem, em tempo para a Expo2015, será o espaço que vai acolher de maneira definitiva a grande escultura de Michelangelo, a Pietà Rondanini, esculpida entre 1552-1554 pelo artista toscano

Castello Sforzesco Milano

Um ano de restauros para trazer a luz os afrescos nos muros e no teto, que traz a escrita do Credo Apostólico ‘Sali in cielo, siediti alla destra di Dio, Padre onnipotente’ , palavras que resumem a própria essência do cristianismo. É o momento exatamente seguinte da Pietà, que será colocada na sala, embaixo da frase afrescada.

A escolha da enfermaria espanhola não é casual. Lugar de dor e morte, é em sintonia com a escultura insólita do artista toscano (geralmente nas pietàs, Maria está sentada segurando o corpo de Jesus) que cristaliza a dor sem fim de uma mãe que segura o corpo do filho morto.

A escultura, comprada pela prefeitura de Milão em 1952, está apoiada em cima de uma placa anti-sísmica fabricada no Japão, por causa das vibrações da linha do metrô que passa embaixo do castelo.

Michelangelo Milão Pietà

Quem entrar, vai vê-la de costas e pouco a pouco vai descobrir os detalhes mais ou menos acabados da escultura, colocada na enfermaria com uma decoração minimal, feita de poucos bancos e uma pequena livraria monotemática.

O meu deslumbre pela obra eu nunca escondi, está escrito, palavra por palavra em cada post onde pude inseri-la. Para mim, é a maior obra de arte dessa cidade (e olha que temos aqui a Última Ceia de Leonardo da Vinci).

Pietà Rondanini – Castelo Sforzesco
Terças a Domingo das 9 às 19h
Ingressos: 5 euros (inteiro) – 3 euros (reduzido – acima de 65 anos com documento) – grátis (até 18 anos)
* O ingresso é único e vale para visitar a Pietà e todos os ouytros museus do Castelo Sforzesco.

OBS: Post atualizado em 11/05/2015

Fotos: Página FB da Prefeitura de Milão e Milão nas mãos