Vendedores milaneses terão aulas de sorriso

Há 11 anos, quando cheguei aqui, era uma das coisas que mais me incomodava: o mau-humor dos vendedores das lojas em Milão.

Tenho que confessar que é também uma das reclamações da maioria dos brasileiros que eu conheço e que visitam a cidade. Digamos que no geral, nós brasileiros, no Brasil, não estamos acostumados com vendedores que nos atendem e parecem nos estar fazendo um grandíssimo favor. Essa é a atitude dos vendedores por aqui e, acreditem, não é só com os turistas. Eles também tratam assim nós que moramos aqui, com esse ar de que  estamos incomodando.

Digamos que lentamente as coisas melhoraram um pouquinho nesse anos, mas muito trabalho ainda tem que ser feito.

Por isso, que em 2013, segundo a reportagem publicada no jornal italiano Corriere della Sera e em vista do fluxo de turistas esperados para a Expo 2015 em Milão, os vendedores milaneses terão “aulas de sorriso”.

Os cursos serão realizados pela Confederação do Comércio, serão divididos por categoria e terão como objetivo ensinar aos vendedores a serem sempre gentis, sorrir e deixarem os problemas pessoais do lado de fora da loja. A preparação vai  se concentrar também em cursos de línguas (inglês, chinês e árabe) e informática para profissionalizar e internacionalizar a categoria.

Eu realmente espero que tudo isso funcione, porque uma cidade como Milão, que vive de vender, não pode se dar ao luxo de ter vendedores com esse tipo de não-educação.

Para mim, um dos problemas é que os vendedores aqui tem sálario fixo, não ganham nenhum tipo de comissão e por isso, que o cliente compre ou não, não faz a menor diferença. Muitos deles reclamam dos sálarios baixos e dos hórários massacrantes. Isso porém, não justifica um atendimento mau educado e muitas vezes entediado.

O que conforta é saber que toda regra tem sua excessão, que não é todo mundo assim. Já fui atendida por vendedores com quem eu teria ido tomar um café, tamanha a simpatia.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *